São Vicente: Vale a pena lembrar a história da hidrobase de Calheta – Reitor da Uni-Piaget

Mindelo, 21 Mar (Inforpress) – A Universidade Jean Piaget (Uni-Piaget) trouxe à cidade do Mindelo a exposição que assinala os 90 anos da hidrobase de Calheta de São Martinho, que são histórias que “vale a pena” serem contadas, disse hoje o reitor Wlodzimierz Szymaniak.

Esta exposição, que está patente na Alliance Française do Mindelo e onde Wlodzimierz Szymaniak proferiu uma palestra, na tarde de hoje, sobre esta mesma temática, assinala, conforme o mesmo avançou à Imprensa, o destacamento deste arquipélago como entreposto da antiga empresa francesa de transporte internacional de correio.

“Cabo Verde parece no ano de 1927 como entreposto da Aéropostale. Posso dizer que havia duas bases nascidas no Atlântico da Aéropostale, uma era na ilha de Santiago em Calheta de São Martinho e outra na ilha brasileira de Fernando Noronha”, explicou este responsável, adiantando que a base funcionou no ano de 1928, mas “muito rapidamente foi abandonada”, porque os aviões já conseguiam fazer a travessia do Atlântico.

Entretanto, serviu por 10 anos como posto da rádio para dar apoio aos aviões que atravessavam o oceano.

“São histórias, que valem lembrar. Dai a pertinência das duas exposições, uma graças à Embaixada de França, e que foi feita pela associação “Memoire d´Aeropostale”, que narra a história da companhia a nível mundial e a outra feita pela Universidade Jean Piaget que se debruça sobre Cabo Verde como etapa da Aéropostale”, reforçou.

Memorias antigas, que, conforme a mesma fonte, merecem ser divulgadas, até porque também o primeiro aeroporto da cidade da Praia, em Achada Grande, foi construído pela Aéropostale.

“Posso dizer que Calheta de São Martinho foi um lugar que não foi escolhido casualmente, antes funcionava como porto de cabotagem e ali também no século XVI desembarcou Francis Drake, antes de pilhar a Cidade Velha”, relembrou Wlodzimierz Szymaniak, que traz agora estas “lembranças” à Mindelo, antes apresentadas em 2017 na cidade da Praia.

A empresa Aéropostale foi criada depois da Primeira Guerra Mundial e tinha como objectivo assegurar o transporte internacional de correio. Entretanto, deparou-se com um problema de como atravessar o Atlântico já que os aviões ainda não estavam aptos para isso.

E, por isso, escolheu a ilha de Santiago, mais concretamente o porto da Calheta de São Martinho para construir a aérobase do hidroavião que saia de Senegal, chegava à Calheta, onde o correio era transbordado para os navios “Avisa”, que iam para a ilha de Fernando Noronha, no Brasil, onde outro avião estava à espera.

Esta forma considerada “mais rápida” de ligar Europa às Américas, tendo em conta que antes via marítima uma carta demorava um mês e “graças” à Aéropostale passou a demorar uma semana.

LN/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos