São Domingos: PAICV regista “sérias preocupações” no pré-escolar e apela à autarquia mais sensibilidade com educação

Cidade da Praia, 22 Nov (Inforpress) – A bancada do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) na assembleia municipal de São Domingos disse hoje que registou “sérias preocupações” no que se ao pré-escolar e apelou à autarquia local mais sensibilidade com educação.

A eleita municipal do PAICV em São Domingos, Felismina Moreno, que falava em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, para fazer o balanço de uma visita efectuada no terreno para acompanhar o arranque do ano lectivo no concelho, afirmou que, de o que se constatou, é necessário uma reflexão e tomada de posição.

Conforme sugeriu, é preciso regularizar as dívidas com os trabalhadores do sector.

“Num paradoxo com o Ministério da Educação, Família e Inclusão Social, e o lema “Sem deixar ninguém para trás”, o pré-escolar no concelho de São Domingos, principalmente os jardins afectos à câmara municipal que visitamos, afigura-se como um parente pobre e votado ao abandono”, demonstrou.

Indefinição dos papéis das monitoras, que, segundo a mesma fonte, estão a perder muito tempo com a limpeza, e salário “pouco digno” são outras preocupações do PAICV.

Felismina Moreno indicou, por outro lado, que as contribuições dos pais e encarregados da educação revertem a favor da câmara municipal, para fins “desconhecidos”.

Segundo a mesma fonte, há falta de materiais e condições de trabalho, “péssimas condições da maioria das estruturas físicas” e regista-se ainda, obras iniciadas há anos e, até então, “não foram concluídas”.

“As poucas obras executadas no centro de Gudim, Loura e Mato Afonso traduziram-se em “dívidas penosas” para os trabalhadores afectos, que não receberam nenhum tostão”, lamentou.

Com isso, avançou, esses trabalhadores passaram a viver “à margem de uma vida digna”, com dificuldades para pagar transportes e adquirir os materiais escolares para seus filhos.

“É neste sentido que a bancada do PAICV em São Domingos exorta a Câmara Municipal a ser mais sensível com a causa pré-escolar, alicerce para uma educação de qualidade que tanto se propaga”, enfatizou.

Para Felismina Moreno importa também explicar e esclarecer os munícipes as razões das dívidas “sem fundo e fim”, mesmo nos casos “improváveis” em que se conhece o financiamento para o efeito.

WM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos