Santo Antão: Agricultores no Planalto Leste voltam a reclamar apoios prometidos pelo Governo em 2018

Porto Novo, 16 Set (Inforpress) – Os agricultores no Planalto Leste, Santo Antão, voltam a reclamar do Governo os apoios prometidos por ocasião do incêndio de grandes proporções que, em Julho de 2018, deflagrou nesse perímetro florestal, consumindo dez hectares de terrenos agrícolas.

Além de “perdas avultadas” de pinheiros, as chamas destruíram ainda várias propriedades agrícolas, segundo os agricultores, que, 14 meses depois do incêndio, esperam ainda pelos apoios prometidos, na ocasião, pelo Governo, através do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA).

Arlindo Lopes, que perdeu dois hectares de terrenos, é um dos vários agricultores que dizem ter ficado “lesados” pelo incêndio, lembrando que, há mais de um ano, as famílias aguardam pelas ajudas anunciadas, também, pelo primeiro-ministro, durante uma visita ao Planalto Leste.

Os camponeses, sobretudo das zonas de Morro de Vento, Curral da Russa e Escovadinha, queixam-se do facto de, até agora, não terem recebido “qualquer tipo de apoio” do Governo, “apesar de todas as promessas feitas”, aquando do incêndio, que destruiu 200 hectares da floresta do Planalto Leste.

Amílcar da Luz foi outro agricultor que teve “muitas perdas”, assim como João Tomas, que perdeu, igualmente, parte da sua propriedade coberta por feijões.

O incêndio, além dos 200 hectares da floresta e dos dez hectares de terrenos agrícolas consumidos, destruiu, igualmente, parte das canalizações feitas no âmbito do projecto de abastecimento ao Planalto Leste, que foram respostas algum tempo depois.

O MAA está a implementar um plano de recuperação da zona ardida, orçado em 30 mil contos, que abarcam acções como a conservação de solos e água, reposição das plantas destruídas durante limpeza da floresta e informação e sensibilização das populações.

JM/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos