Santiago: Município do Tarrafal recebe extensão da Cabo Verde Ocean Week 2023

Tarrafal, 24 Nov (Inforpress) – O município do Tarrafal, no interior de Santiago, recebeu hoje a primeira extensão da Cabo Verde Ocean Week, uma iniciativa do Ministério do Mar, sob o lema “mudando as marés”, que já vai na sua sexta edição.

Segundo o Ministério do Mar, pretende-se com esta sexta edição da Cabo Verde Ocean Week “propor uma mudança de marés face aos nossos hábitos e comportamentos face ao oceano e aos mares, visando o desenvolvimento sustentável do país”.

É nesse sentido, que os municípios do Tarrafal e da Praia, acolhem hoje e sábado, respectivamente, a primeira edição deste evento, que tem como palco central a ilha de São Vicente, e que este ano se realizou de 12 a 17 de Novembro.

No Tarrafal foi realizado as “blue talks”, pequenas apresentações individuais sobre temáticas ligadas à economia azul, que debruçaram sobre os temas “o estado de desenvolvimento do sector das pescas” e “um mar de desportos náuticos por descobrir em Cabo Verde”, cuja abertura foi presidida pelo ministro do Mar, Abraão Vicente.

Além das “bue talks”, que tiveram lugar na Delegação do Instituto Marítimo e Portuário de Santiago Norte, foram realizadas no período da tarde, desportos aquáticos com destaque para corrida de bote e natação.

“Todo foco da Ocean Week deste ano é passar a mensagem de tempo de acção, internamente para os ‘players’ e as instituições do Ministério do Mar, como para as instituições internacionais com o foco no financiamento”, afirmou Abraão Vicente aos jornalistas, no Tarrafal, à margem da primeira edição do Cabo Verde Ocean Week, fora de São Vicente.

O titular da pasta do Mar acrescentou que o foco é também mostrar que Cabo Verde desenhou uma arquitetura institucional a nível do ministério, que abrange todos os aspectos não só da economia azul, mas do sistema marítimo, nomeadamente a investigação científica, formação das profissões ao ligadas ao mar, tanto a nível profissional como universitário.

Na ocasião, notou que o país tem “francas preocupações” relativamente ao estado do seu ecossistema, daí, defendeu que é fundamental um reforço no investimento da investigação oceânica em Cabo Verde, um reforço nas políticas de transformação e introdução de novas técnicas de pesca, e ainda que é preciso reactivar técnicas antigas de conservação do pescado, e entre outras acções.

Durante a entrevista, o também ministro da Cultura e das Indústrias Criativas reafirmou que “é tempo de agir”, sustentando, que é “fundamental” que tanto os cabo-verdianos como a comunidade internacional compreendam que os tempos de maturação e burocracias desenhadas para acesso ao financiamento e desbloqueamento dos projectos já desenhados não coincidem com urgência de accão climática, como a eliminação do plástico.

Sobre a eliminação do plástico, defendeu que é uma questão que tem que ser debatida em Cabo Verde, tendo em conta, que segundo ele, não é aceitável que um país oceano continue a consumir demasiado plástico.

Se não for tomada medidas, advertiu que o país corre muitos riscos de vir a ter a grande presença não só plástico como microplástico no oceano e na cadeia alimentar.

“Portanto o tempo de agir é agora”, insistiu, notando que é fundamental que se perceba que esta não é uma agenda só do Governo, mas também das câmaras municipais, da Presidência da República, do Parlamento e de toda a sociedade civil.

Já esta sexta-feira, a Cabo Verde Ocean Week leva a mudança das marés à praia de Kebra Kanela, no município da Praia, com actividades desportivas coordenada pelo jogador da seleção nacional de basquetebol Fidel Mendonça, e o Palácio da Cultura Ildo Lobo acolhe a sessão de abertura das formações de iniciação para pescador, e de manutenção e reparação de motores fora de bordo, promovidas pela Escola do Mar.

FM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos