Santa Catarina Fogo: Reposição do acesso ao litoral priorizado na reparação dos estragos provocados pelas chuvas – câmara

São Filipe, 08 Nov (Inforpress) – A reposição do acesso carroçável ao litoral do município de Santa Catarina do Fogo, isolado desde Setembro devido aos estragos provocados pelas chuvas, será priorizado no quadro do programa de emergência decorrente da declaração do estado de calamidade.

O presidente da câmara de Santa Catarina do Fogo, Alberto Nunes, disse à Inforpress que na sequência dos estragos não é possível a circulação de viaturas para locais como Casinha, Fajã e Alcatraz, e mesmo para Forapó, sublinhando que isso significa que as três baías estão “praticamente isoladas”.

O autarca lembrou que a câmara tem “projectos interessantes” e que, inclusive, já entregou o projecto ao Ministério do Mar para a construção de 12 casas de pescadores na Baía de Fajã.

Sublinhou que a reposição do acesso vai permitir dar continuidade aos trabalhos da segunda fase da Baía de Alcatraz e iniciar a primeira fase da Baía de Fajã.

Por outro lado, Alberto Nunes defendeu a normalização na circulação para estes pontos do litoral do município, porque para além de impedir os trabalhos está a dificultar os pescadores que antes, quando tinham grande quantidade de peixe, faziam o escoamento através de viaturas, e hoje são obrigados a transportar pescados à cabeça.

“A câmara tinha feito o trabalho um pouco apreciado e como alguns locais ficaram sem acesso, colocamos a equipa no terreno para fazer avaliação e elaboração do orçamento”, disse Alberto Nunes, indicando que o valor de 22 mil contos anunciado pelo Governo, após o levantamento, pode revelar-se insuficiente e a câmara precisar de mais recursos.

Alberto Nunes disse que a proposta da autarquia é que a reposição do acesso seja priorizada e assim vai negociar com a empresa de construção civil que for seleccionada para realizar os trabalhos para priorizar o acesso e depois as obras “mais profundas”.

“Tratando-se de obras de emergência dispensa concurso publico”, disse o edil, para quem a prioridade é garantir o acesso para o litoral para poder arrancar as obras na orla marítima, facilitando o transporte de materiais de construção, mas também garantir aos pescadores mais segurança no acesso aos locais de pesca.

A câmara, através do seu Gabinete Técnico, fará o orçamento e caderno de encargos e depois convites às empresas para apresentação de propostas e a obra será adjudicada à empresa vencedora, referiu o edil.

A mesma fonte indicou que o é da competência da câmara “está feito e enviado ao Fundo de Emergência há mais de um mês”.

No quadro da declaração de estado de calamidade, o município de Santa Catarina do Fogo vai receber 22 mil contos do Fundo de Emergência, sendo três mil contos para a reparação da estrada vicinal de Forapó, em construção pela Associação de Amigos de Forapó, outros três mil contos para reparação do muro da placa desportiva e da drenagem de água, sendo a gestão das duas intervenções será feita pela câmara municipal.

A fatia maior, 16 mil contos, destina-se à reparação dos estragos na estrada de acesso ao litoral, nomeadamente Domingos Lobo a Baía de Alcatraz e a gestão será feita pela câmara e pelas Estradas de Cabo Verde (ECV).

JR/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos