“Qualidade da educação é um desafio permanente em busca de soluções para melhoria e inovação” – primeiro-ministro (c/áudio)

Cidade da Praia, 13 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro disse hoje que a qualidade da educação é um “desafio permanente” em que todos devem ser cada vez “mais exigentes” e cultivar uma atitude de “inconformismo positivista” em busca de soluções para melhoria e inovação.

Ulisses Correia e Silva fez essa consideração na cerimónia de abertura do ano lectivo 2021/2022, que decorreu no salão do Liceu Domingos Ramos, sob o lema “Resiliência e confiança para uma educação de qualidade”, e que contou com a participação dos professores do pré-escolar, ensino básico obrigatório e ensino secundário, e com representantes do corpo diplomático no País.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro realçou que o sistema educativo foi colocado à prova com a pandemia da covid-19, respondeu e tem “respondido bem” (…) e “num esforço conjugado tem sido possível mitigar os efeitos da pandemia mostrando capacidade de resiliência e de adaptação notáveis”.

“O ano lectivo inicia-se em plena pandemia, mas graças ao bom combate que tem sido dado, os riscos são muito menores do que no ano anterior. Uma grande maioria de professores está vacinada, aumentando assim o nível de segurança e protecção sanitária nas escolas”, afirmou, sustentando que é neste cenário de “resiliência e confiança” que se iniciam as aulas.

Ulisses Correia e Silva, que reiterou sobre os desafios educativos, reforçou ainda que as políticas de inclusão, a gratuitidade no ensino básico e secundário é um “ganho assegurado” que o Governo irá continuar a trabalhar para a criação de condições para a “universalização do acesso a todos os níveis escolares”.

O sistema de ensino, asseverou, deve garantir a todos os jovens o domínio do português e do inglês e prepará-los para a nova matriz curricular que vai incluir a língua cabo-verdiana, a partir do ano lectivo 2022/2023.

O primeiro-ministro assumiu também a transformação digital no sistema educativo como uma “parte importante do desafio da qualidade” e anunciou o trabalho que vem sendo feito para a iniciativa “Internet como bem essencial”, visando a sua massificação e gratuitidade nas escolas.

“Devemos formar os nossos jovens com conhecimentos e atitudes que os façam sentir para além de cidadãos cabo-verdianos, cidadãos do mundo. (…) As oportunidades de desenvolvimento profissional dos jovens assim o exigem”, ressaltou.

Para isso, afirmou que os professores são “as chaves da educação de excelência”, pelo que o Governo continuará a envidar esforços no sentido da regularização das carreiras dos docentes e agentes educativos.

“É com estes objectivo estratégicos e no cenário de normalização do funcionamento das escolas que um total de 130 mil crianças, adolescentes e jovens, estarão de regresso às aulas presenciais”, finalizou, frisando que dependendo das directivas da Direcção Nacional de Saúde a população dos 12 a 17 anos poderá vir a ser vacinada.

O ano lectivo 2021/2022 iniciou-se hoje em todo o País com 130 mil alunos.

PC/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos