Professores iniciam greve de dois dias nesta quarta-feira e cogitam paralisar o ensino

Cidade da Praia, 21 Nov (Inforpress) – O presidente do Sindicato Nacional dos Professores (Sindep) anunciou hoje, na Praia, uma greve para os dias 22 e 23 de Novembro, ameaçando paralisar o ensino caso o Governo não resolva especialmente a questão do reajuste salarial.

Jorge Cardoso fez este anúncio em conferência de imprensa, onde afirmou que a greve é inevitável, pois o Governo está a “ludibriar e a enganar a classe docente” com promessas e manobras.

Ressalva-se que os sindicatos dos professores se reuniram com os ministros da Educação, o vice-primeiro-ministro e a ministra da Administração Pública para a busca de consenso para evitar mais esta greve.

No entanto, durante as negociações com o Governo ficou por consensualizar a questão da tabela para nova grelha salarial cuja proposta dos sindicatos é de 107.471$00 e o aumento salarial de acordo com a inflação para todos os professores.

“A greve terá que acontecer porque o Governo anda a tentar ludibriar a classe docente, ludibriar os sindicatos, daí que queremos alertar toda a classe docente, todos os professores para estarem engajados nessa luta porque, de facto, o Governo quer é ludibriar os professores, enganar os sindicatos e os professores, porque nada está a resolver”, sustentou Jorge Cardoso.

Apelou a todos os professores de Santo Antão a Brava para permanecerem unidos, fortes e coesos para vencerem essa luta, assegurando que o Sindep, como organização sindical representativa da classe, está disposto a ir até às últimas consequências, advertindo o Governo de que agora é o momento de agir e cumprir.

“Ainda ontem estive com vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças nós não queremos chantagens, promessas, agora é hora de fazer e não o que vamos fazer, e a classe docente mais do que ninguém está sofrida, desde 2016 a esta parte a classe docente não viu nem sequer um centavo no seu salário e não é aceitável que o Governo tenha coragem para dizer aos professores que não merecem um estatuto especial”, salientou Jorge Cardoso.

Ainda em relação à lista de requalificações do número de professores divulgada pelo Governo nesta segunda-feira, aquele líder sindical adiantou que isso se trata de manobras, pois a requalificação dos anos 2020, 2021 e 2022 precisa ser feita de uma só vez.

Contando com uma adesão de mais de 80% dos professores à greve, o presidente do Sindep também anunciou uma próxima greve para Dezembro, ameaçando com a interrupção total do ensino no País.

“Porque se o Governo não recuar e respeitar os professores vamos paralisar de facto, estamos determinados para isso, de conversa estamos fartos, os professores querem seus problemas resolvidos, principalmente reajuste salarial para já”, garantiu Jorge Cardoso.

TC/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos