Professor diz que ganhos na educação são extraordinários e destaca contribuição da classe

Cidade da Praia, 23 Abr (Inforpress) – O docente Florenço Varela classificou o professor como “pedra angular” de qualquer sistema educativo, realçando que os ganhos alcançados na educação “são extraordinários” e que Cabo Verde é o que hoje é graças a contribuição dos professores.

Em declarações à Inforpress, no âmbito do Dia do Professor Cabo-verdiano, que se celebra hoje, Varela destacou a importância da criação da data porque, sustentou, o professor com a “arte suprema” de ensinar consegue despertar o entusiasmo pela expressão criativa e pelo conhecimento.

A educação em Cabo Verde, segundo a mesma fonte, tem ao longo dos anos registados “ganhos significativos” e o País é o que é graças a contribuição dos professores, lembrando que a primeira escola de formação de professores no arquipélago foi criada há 50 anos.

“Temos as reformas educativas, a criação do estatuto do pessoal docente, a formação e elevação da careira docente e a profissionalização do professorado portanto são ganhos extraordinários ”, referiu, realçando, entretanto, que  a referida profissão  enfrenta “desafios enormes” e que o professor  enquanto “pedra angular” corre o risco de não responder a esses desafios que tem pela frente.

Por outro lado, defendeu a necessidade de “maior aposta” na melhoria da qualidade de educação, alertando que a qualidade do ensino depende do professor, que, se for bem preparado com envolvimento e habilidades na utilização das tecnologias no domínio da educação, contribuirá na melhoria do sistema educativo.

Segundo Florenço Varela, o momento de confinamento social que as diferentes sociedades estão a viver devido a pandemia da covid-19 está a permitir aos pais e encarregados de educação e a própria sociedade a interpelar o papel dos professores nas salas de aulas.

“O grande desafio que estamos a viver é o de estarmos a viver numa sociedade aprendente de múltiplas oportunidades de aprendizagem onde o professor não é mais apenas o detentor do conhecimento e se torna um aprendiz permanente”, declarou, advogando que o professor deve neste momento assumir uma nova identidade.

Apontou, neste sentido, a formação à distância, uma medida adoptada pelo Governo no contexto da pandemia do novo coronavírus, como um desafio e uma “oportunidade extraordinária” para a classe, acrescentando, por outro lado, que ao longo dos anos foram criadas as condições para promover a valorização e o reconhecimento do professor em Cabo Verde.

No entanto, referiu, há necessidade de cada vez mais os governos apostarem nos jovens professores, desafiando a classe a encarar a arte de ensinar, não como uma profissão, mas sim como uma missão de vida.

“O professor é um eterno estudante, portanto há necessidade de uma actualização permanente. Devem evitar o risco de acomodação e devem se colocar na lógica de quem está a aprender e não a ensinar para melhorar o seu desempenho porque só é um bom ensinante aquele que for um bom aprendente”, concluiu.

 

Em Cabo Verde, o Dia do Professor Cabo-verdiano é comemorado no dia 23 de Abril tendo como patrono o escritor, poeta e linguista Baltazar Lopes da Silva, autor do romance “Chiquinho“, que nasceu a 23 de Abril de 1907, no Caleijão, na ilha de São Nicolau.

Nesta data comemora-se, igualmente, o Dia Mundial do Livro.

 

CM/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos