Primeira-dama defende empoderamento das mulheres em complementaridade com os homens

Cidade da Praia, 25 Nov (Inforpress) – A primeira-dama, Débora Katisa Carvalho, defendeu hoje a necessidade de se trabalhar o empoderamento das mulheres nas várias dimensões, nomeadamente a social, económica e emocional e também em complementaridade com o outro género.

Débora Katisa Carvalho falava na qualidade da madrinha da terceira edição do “Empodera-te”, movimento fundado pela cabo-verdiana Sara Sarowsky, que hoje reuniu, na cidade da Praia, mulheres e homens de vários quadrantes para uma conversa sobre o empoderamento feminino.

A primeira-dama explicou que ao empoderar a mulher está-se a fomentar a participação consciente e cívica das mulheres, criando mecanismos para a geração de recursos e impulsionando o empreendedorismo feminino e a agir em prol dos objectivos de desenvolvimento, sustentabilidade e uma questão também de direitos humanos.

Contudo, sustentou que ao investir no empoderamento de ambos os géneros se está a construir as bases para uma sociedade mais resiliente e harmoniosa.

“Homens e mulheres são parceiros complementares na busca de um desenvolvimento, que queremos que seja sustentável e, sobretudo, promover valores fundamentais para a igualdade, a liberdade e o respeito do mundo. Ao investirmos no empoderamento de ambos os géneros, estaremos sim a procurar soluções complementares para os muitos desafios que nossas sociedades enfrentam”, explicou.

A companheira do Presidente da República realçou, por isso, a necessidade de se encorajar o homem cabo-verdiano a abraçar o empoderamento feminino, compreendendo que a igualdade de género é o caminho para o crescimento e não uma ameaça à identidade.

“O empoderamento feminino não deve ser percebido como uma competição com os homens”, disse Débora Katisa Carvalho, defendendo, igualmente, uma agenda para os rapazes, os futuros homens, já que na sua perspectiva, há a sensação de que em Cabo Verde os rapazes estão a ficar para trás.

“Nós estamos numa sociedade onde a performance escolar é dominada pelo segmento feminino, onde a formação superior é dominada pelas mulheres, a saúde é feminina, a educação é feminina, e quando vamos às prisões, se a pobreza é feminina, as prisões têm uma cara masculina. Então podemos, já a partir de agora, perguntar: que futuro vai ser esse? Daí que eu tenho também alertado para a necessidade de criarmos uma agenda para o rapaz”, disse.

Na perspectiva da primeira-dama, quando homens e mulheres são fortalecidos de forma igual, constrói-se uma sociedade onde a violência tem menos espaço para prosperar.

“O ‘Empodera-te’ está assente em quatro pilares: empoderamento físico (corpo), empoderamento mental (mente), empoderamento espiritual (espírito) e empoderamento emocional (coração)”, indicou a fundadora do movimento Sara Sarowsky, nascida e criada em Cabo Verde e radicada em Lisboa há mais de 15 anos.

Do programa do evento da cidade da Praia, para além da sessão de abertura, foram 10 palestras, dois testemunhos, uma actuação de dança, uma actuação de música, seguido de cocktail.

Paralelamente, foi realizada uma feira para a exposição, divulgação ou promoção de negócios no feminino.

MJB/CP

Inforpress/fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos