Presidente francês em Telavive para mostrar solidariedade

Telavive, 24 Out (Inforpress) – O Presidente francês, Emmanuel Macron, chegou hoje a Telavive para expressar a solidariedade da França para com Israel, após o ataque do grupo islamita palestiniano Hamas em 07 de outubro, noticiou a agência francesa AFP.

“Estamos ligados a Israel pelo luto. Trinta dos nossos compatriotas foram assassinados em 07 de outubro. Nove outros estão ainda desaparecidos ou são mantidos como reféns”, disse Macron nas redes sociais.

“Em Telavive, manifestei a minha solidariedade para com as suas famílias”, acrescentou, após um encontro no aeroporto de Telavive com famílias de franceses mortos ou mantidos reféns na Faixa de Gaza.

Macron vai também apelar para a “preservação das populações civis” na Faixa de Gaza, que tem estado sob constante bombardeamento das forças israelitas desde o ataque do Hamas, de acordo com a presidência francesa.

O ataque do Hamas em Israel provocou mais de 1.400 mortos e os bombardeamentos israelitas já fizeram mais de cinco mil mortos, segundo balanços divulgados pelas duas partes.

O Hamas anunciou hoje que os ataques de Israel mataram mais 140 pessoas durante a noite, enquanto o exército israelita disse ter matado três dirigentes do grupo islamita nas últimas 24 horas.

Macron vai reunir-se com o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o presidente Isaac Herzog e os líderes da oposição Benny Gantz e Yair Lapid.

Pelas 13h00 locais (11h00 em Lisboa), está prevista uma declaração à imprensa de Macron e Nethanyahu, segundo a AFP.

Macron vai pedir também uma “trégua humanitária” para permitir o acesso da ajuda a Gaza, que se encontra sob um bloqueio total.

A presidência francesa disse que Macron também vai apelar para a libertação dos reféns que o Hamas levou para a Faixa de Gaza durante o ataque de 07 de outubro.

Pelo menos 30 franceses foram mortos no ataque do Hamas e vários foram presumivelmente feitos reféns.

Macron pretende igualmente defender a necessidade de se evitar uma “perigosa escalada na região”, nomeadamente entre o poderoso movimento xiita libanês Hezbollah, apoiado pelo Irão, e Israel.

O chefe de Estado francês vai também propor o relançamento de um “verdadeiro processo de paz” para a criação de um Estado palestiniano, acrescentou o seu gabinete.

A viagem de Macron a Israel coincide com a realização de uma reunião aberta do Conselho de Segurança da ONU dedicada à situação em curso no Médio Oriente, incluindo sobre a questão palestiniana.

Inforpress/Lusa

Fim

 

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos