Portugal: Germano Almeida mostra realidade cabo-verdiana do séc. XIX no “Infortúnios de um governador nos trópicos” (c/áudio)

Lisboa, 31 Out (Inforpress) – O escritor cabo-verdiano Germano Almeida explicou hoje que o seu recente livro “Infortúnios de um governador nos trópicos” conta uma história real do século XIX, em que aproveitou para mostrar os aspectos da realidade cabo-verdiana.

A declaração foi feita à Inforpress neste dia do lançamento da obra, que aconteceu no Centro Cultural de Cabo Verde (CCCV), em Lisboa, no âmbito das celebrações do Dia da Cultura e das Comunidades, assinalado a 18 de Outubro.

“A história é real e por intermédio vai se contar outra história de Cabo Verde, porque sobretudo também o interesse é mostrar aspectos da realidade cabo-verdiana da época. Eu escrevo como se estivesse a contar uma história, ou seja, quando escrevo tenho sempre presente a ideia dos nossos antigos contadores de história que não estavam preocupados com grandes arabescos e com muitas palavras bonitas”, afirmou.

De acordo com Germano Almeida, o seu objectivo é fazer com que a “história flua”, tentando fazer com que a história seja “agradável para que quem esteja a lê-la é como que estivesse a ouvi-la”.

Em relação ao livro hoje apresentado, o escritor contou que é uma história real, acabando por ser “um bocadinho romanceada”, sobre um governador do século XIX, de 60 anos, que foi para Cabo Verde, casado com uma jovem de 20 anos, por sinal sobrinha dele, e ela acabou por se apaixonar por um médico cirurgião que tinha ido na comitiva do marido.

Conforme Germano Almeida, como na altura, ter a presença do médico era importante, porque os europeus que iam para Cabo Verde adoeciam muito, sobretudo com as “doenças de terra”, o governador estava preocupado para que a sua esposa não apanhasse uma dessas doenças e queria que ela estivesse sempre perto do médico.

“De maneira que ele terá contribuído para a aproximação entre o médico e a esposa, até que os seus criados foram dizer que o médico, quando ele estava ausente, entrava no quarto do casal e ficava lá, com as cortinas fechadas sem saber o que estava a fazer”, referiu, resumindo que o governador não gostou, pedindo ao ouvidor que fizesse um processo.

Assim, todos os criados foram ouvidos e todos confirmaram o que viram, tendo o marido decidido que faria regressar a mulher para Portugal para ser fechada no convento, mas o bispo que era progressista, acabou por convencer o governador a aceitar a esposa de volta.

Sob a égide de Caminho Editora, o mais recente livro do autor vencedor Prémio Camões em 2018, o segundo cabo-verdiano a vencer o prestigiado galardão depois de Arménio Vieira, teve a apresentação a cargo de Daniel Pereira, historiador e diplomata jubilado, numa sala completamente cheia.

A apresentação do livro contou com a presença do embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro.

Em Cabo Verde, a apresentação está prevista para acontecer na ilha de São Vicente, no dia 20 de Novembro.

Germano Almeida, que nasceu na ilha da Boa Vista, em 1945, é licenciado em Direito e vive atualmente em São Vicente.

DR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos