Portugal: Associação PintaVida promove encontro para sensibilizar e conscientizar sobre cancro da mama

Lisboa, 30 Out (Inforpress) – A Associação Lusófona para a Promoção da Literacia em Saúde Oncológica (PintaVida) reuniu hoje, em Lisboa, doentes, familiares e população em geral em uma acção de sensibilização e consciencialização do cancro, sobretudo de mama.

Sob o lema “PintaVida na luta contra o cancro da mana”, o encontro de sensibilização e consciencialização incluiu uma reflexão sobre o papel das entidades ligadas à saúde nas respostas à dimensão do problema do cancro da mama, testemunhos dos doentes da lusofonia e uma oficina de artes plásticas e dança.

“Sedo uma associação lusófona, temos por objectivo ajudar nos desafios que existem nesses países a nível de doença oncológica. Procuramos de alguma forma que o respeito pelos direitos humanos prevaleça, porque há pessoas que estão em Portugal em tratamento que enfrentam muitos desafios, por causa das desigualdades”, disse a presidente da Pinta a Vida, Maria João Cunha.

De acordo com a presidente, a associação não está relacionada para um tipo específico de cancro, mas que vai procurar formas de intervir nos vários domínios, nomeadamente o cancro de intestino, que é mais frequente na população afrodescendente, em que a taxa de prevalência ronda os 40 por cento (%).

“Hoje estamos a falar do cancro da mama que é mais prevalente na população feminina, contudo na população masculina existe cancro da mama, mas o problema é que a maior parte da população masculina não está sensibilizada sobre o mesmo. Sendo raros os cancros da mama na população masculina, quando são diagnosticados já estão numa fase muito avançada”, afirmou.

Segundo Maria João, o cancro da mama é um tipo de cancro que preocupa a todos, sendo que anualmente, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase três milhões de pessoas são diagnosticas com cancro, e cerca de um milhão morrem anualmente por causa desta doença.

Nesta mesma linha, a presidente da associação indicou que o cancro tem mais prevalência na mama, no pulmão, no intestino, na próstata, na pele e no estômago, sustentando que, apesar dos avanços da medicina e da capacidade de controlar, com muitas pessoas que sobrevivem, precisa de vigilância durante toda a evolução da doença.

Com participação de doentes cabo-verdianas em tratamento do cancro da mama em Portugal, o evento também contou com a actuação musical da artista cabo-verdiana Maria Alice.

A associação PintaVida foi criada em Novembro de 2022 pela psicóloga Maria João Cunha, uma pessoa com uma ligação forte com Cabo Verde, com o propósito de dar resposta às necessidades que sentiam das pessoas que chegavam dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) para terem acesso a tratamento de doença oncológica.

DR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos