Porto Novo: Câmara admite solução para garantir sustentabilidade do sistema de dessalinização de água

Porto Novo, 04 Set (Inforpress) – Os problemas que ameaçam a continuidade sistema de abastecimento de água à cidade do Porto Novo (Santo Antão), através de dessalinização de água, podem estar em vias de ser solucionados, conforme admite o edil portonovense, Aníbal Fonseca.

Em causa estão, sobretudo, as dívidas da autarquia para com a Águas do Porto Novo (APN), empresa de produção de água dessalinizada, as quais ameaçam a sustentabilidade financeira da unidade dessalinazadora, que assegura há mais de uma década o abastecimento de água potável a cerca de dez mil pessoas.

O presidente da câmara do Porto Novo garante que a autarquia, a APN, a Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS) e a Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME)  estão a “trabalhar” na procura de uma solução aos problemas que afectam o sistema de abastecimento de água à cidade do Porto Novo.

“Garantimos que vai ser solucionado. Estamos a trabalhar nisso. Já fizemos vários encontros com a ANAS, com a regulação e com o vice-primeiro-ministro e vamos ter uma solução”, notou o autarca, sem avançar pormenores sobre a questão.

Aníbal Fonseca tem vindo a defender que a atribuição, por parte do Estado, de uma subvenção, no âmbito da “solidariedade social” para com o município do Porto Novo, poderá ser uma das vias para se garantir a sustentabilidade do sistema.

Conforme o edil, a cidade do Porto Novo tem um sistema de produção de água de “boa qualidade e em quantidade suficiente” para as necessidades dos utentes, mas existe o “problema de sustentabilidade financeira”, que urge resolver, propondo, para isso, a concessão, por parte do Estado, de uma subvenção.

A câmara do Porto Novo é obrigada a acumular mensalmente dívidas que ultrapassam os dois mil contos, para assegurar o abastecimento de água à cidade do Porto Novo.

Além das “avultadas dívidas” da câmara para com a APN, cujo montante se desconhece, neste momento (em Abril, andava à volta de 130 mil contos), há ainda as perdas na rede, na ordem dos 50 por cento (%), problemas que ameaçam a continuidade do sistema de abastecimento de água potável à cidade do Porto Novo.

Nos últimos meses, a Câmara Municipal do Porto Novo, a ARME, a APN e a ANAS têm feito alguns encontros para analisar formas de garantir a sustentabilidade do abastecimento de água à cidade do Porto Novo, numa altura em que a regulação prepara-se para proceder, “em alta”, à actualização das tarifas.

A unidade de dessalinização de água no Porto Novo, com capacidade de produção de mil metros cúbicos de água/dia, resultou de uma parceria público-privada, envolvendo Água de Ponta Preta (APP), Governo e o município do Porto Novo, num investimento de 240 mil contos.

JM/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos