Perfil: Margarida Agues – professora por missão é o rosto da educação na ilha do Maio

Porto Inglês, 28 Mar (Inforpress) – A professora Margarida Agues, na função há 29 anos, afirma estar nesta profissão por missão e que se sente realizada por ver vários seus ex-alunos bem integrados na sociedade cabo-verdiana.

Também conhecida como Guidau, esta professora nasceu na vila do Barreiro a 13 de Abril de 1968 e iniciou a sua carreira na ilha de Santiago, há 29 anos, trabalhando primeiramente em Pedra Badejo, Santa Cruz, e depois na Cidade da Praia.

Actualmente reside na sua ilha natal e sonha ver a sociedade maiense “instruída e educada”, razão pela qual tem “dedicado e dado tudo de si” para promover o ensino na ilha.

Disse acreditar que esta é uma forma de contribuir para o desenvolvimento do País e da ilha do Maio, em particular.

Licenciada em Estudos Cabo-verdianos e Portugueses pela Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), Margarida Agues é professora de Língua Portuguesa na Escola Secundária Horace Silvere, onde também já desempenhou a função de directora.

Hoje também desdobra-se na função da directora e professora de Língua Portuguesa na Escola Secundária Amizade, que co-fundou com alguns colegas, no ano de 2018.

Conforme explicou, esta iniciativa surgiu após o grupo observar que muitos jovens maienses encontravam-se com vontade de estudar e que viam essa intenção renegada, por isso decidiram abrir a unidade de ensino, com vista a dá-los esta oportunidade, bem como a alguns jovens funcionários que também pretendiam continuar os seus estudos secundários, mas  que não tinham essa possibilidade.

Considerou o projecto de “exigente”, mas com objectivo nobre, sintetizou, que é promover a formação académica de jovens. “É mais um desafio que vai valer a pena, pois o sentido de servir é sublime”, precisou.

Margarida Agues considera-se uma amante do futebol, tendo já desempenhado a função de presidente da clube Barreirense e de secretaria da Associação Regional de futebol do Maio e neste momento delegada da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) na ilha.

Conforme avançou tem como habito  passar algum tempo aos fins-de-semana a apreciar os rapazes talentosos desta modalidade, pratica natação e adora  a música, principalmente a morna.

Margarida Agues afirma ser uma “mulher guerreira” por natureza e afirma enfrentar os desafios com naturalidade porque as mulheres “são peças fundamentais para o desenvolvimento em qualquer sector”.

Questionada como se sente ao ver um ex-aluno formado e bem integrado na sociedade Margarida Agues disse que o sentimento é “realização e orgulho”.

“Essa é a nossa recompensa por ter colaborado na formação de indivíduos e dedico-me muito para que os nossos alunos sejam pessoas do bem”, reforçou.

WN/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos