Parlamento: Ainda não há financiamento para o Centro de Saúde de Monte Sossego – ministro

Cidade da Praia, 10 Abr (Inforpress) – O ministro da Saúde e Segurança Social, Arlindo do Rosário, afirmou hoje, no debate parlamentar, que ainda não há financiamento para a construção do Centro de Saúde de Monte Sossego, em São Vicente.

Segundo o ministro, o Governo anterior dizia que já havia financiamento e que impedia a construção do centro era a falta de um terreno, mas a verdade é que nunca houve qualquer financiamento para a sua construção.

Arlindo do Rosário explicou que o Centro de Saúde e Monte Sossego, assim como as outras estruturas de saúde, estão num pacote do Fundo Saudita, que nunca foi negociado nem concluído.

“Não há ainda financiamento para a construção do Centro de Saúde de Monte Sossego, sendo certo que nós pretendemos, da mesma forma que existe os centros de saúde urbanos da capital, é investir em termos de infra-estruturas nos cuidados primários de saúde. Eu creio que o Plano de Desenvolvimento Sanitário de São Vicente prevê isso”, sentenciou o ministro.

Arlindo do Rosário entende que o Centro de Saúde de Monte Sossego “não deverá ser visto isoladamente”, mas toda a rede de centros de saúde urbanos de São Vicente.

Garantiu, por isso, que está na agenda do Governo a construção desse centro, assim como a implementação da rede sanitária de São Vicente.

O governante aproveitou para destacar igualmente aquilo que chamou de “grandes investimentos” que estão a ser feitos a nível hospitalar, citando concretamente o Centro de Diálise que, na sua perspectiva, “dará, dentro de dois anos, um panorama melhor em relação ao serviço de hemodiálise” para além do bloco ambulatorial, do bloco de obstetrícia e maternidade entre outras obras.

O ministro esclareceu ainda que se deve investir em São Vicente em termos de saúde, mas a maior preocupação é não só em relação a essa ilha.

Estende-se, segundo observou, “à grande parte dos serviços de saúde em Cabo Verde que precisam de investimentos para melhorar também em termos de recursos humanos”.

Tudo isso, na óptica de Arlindo do Rosário, para melhorar os indicadores de saúde no país.

CD/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos