OMCV destaca forte contributo da mulher cabo-verdiana na construção e desenvolvimento do país

Cidade da Praia, 27 Mar (Inforpress) – A presidente da OMCV destacou hoje o papel e o “forte contributo” que a mulher cabo-verdiana tem dado na construção e desenvolvimento do País, realçando, no entanto, que passados 38 anos os desafios ainda persistem.

Idalina Gonçalves, presidente da Organização das Mulheres de Cabo Verde (OMCV) fez estas considerações em declarações hoje à Inforpress, a propósito do Dia da Mulher Cabo-verdiana, celebrada anualmente a 27 de Março com o fito de homenagear todas as mulheres dentro e fora do país.

O dia da celebração da Mulher Cabo-verdiana, lembrou, foi instituído no dia que oficialmente nasceu a OMCV, que este ano comemora os seus 38 anos de existência, instituição que foi criada para garantir o bem-estar social, económico e cultural da mulher, das famílias e da sociedade cabo-verdiana no geral, através da defesa e promoção dos direitos da mulher integrado numa perspectiva de género.

“Essa data tem uma importância singular para nós porque marca o nascimento de uma nova era para Cabo Verde, foi com um pouco do nosso impute que Cabo Verde conseguiu criar uma data que visa valorizar e homenagear a mulher e confirmar a importância de que essa classe tem no nosso país”, ressalvou.

Transcorridos 38 anos, realçou, a OMCV conseguiu afirmar-se como organização da Mulher Cabo-verdiana, sustentando que isso possibilitou que os ganhos fossem maiores ao longo dos anos e concretizar vários projectos e apoiar todas as classes sociais, a nível nacional.

Destacou, no entanto, que apesar dos avanços registados no país no que se refere à promoção da igualdade e dos direitos da mulher, os desafios ainda persistem, indicando que esta instituição tem representação em todas as ilhas do arquipélago.

De acordo com Idalina Gonçalves, analisando a situação actual da mulher cabo-verdiana, conclui-se que do período da independência nacional a esta parte, as mulheres souberam conquistar o seu espaço na sociedade e que os ganhos alcançados foram grandes.

“Temos mulheres em todas as esferas sociais, desempenhando grandes funções, temos mulheres mais confiantes e certas daquilo que querem, que lutam para que os seus direitos sejam salvaguardados”, apontou, defendendo, no entanto, a necessidade de se apostar cada vez mais no empoderamento das mulheres.

E tem sido essa uma das funções da OMCV, que conforme revelou, nesses 38 anos de funcionamento já financiou projectos de milhares de mulheres que hoje são conhecidas como empresárias de sucesso e têm contribuído no processo do desenvolvimento do país.

No entanto, admite que as limitações financeiras enfrentadas pela organização não têm permitido concluir todos os objectivos, realçando, por outro lado, que a OMCV tem que alinhar as suas intervenções de acordo com o plano governamentais e locais.

“Trabalhamos fortemente no empoderamento socioeconómico e político da mulher cabo-verdiana, temos que continuar a trabalhar para levar a cabo o nosso projecto de micro finanças visando promover mais oportunidades às nossas mulheres na criação dos seus negócios”, afiançou, ajuntando também a necessidade de se apostar nas formações profissionais isto porque, frisou, sem acções de formação as oportunidades são menores.

Apontou, neste sentido, a mobilização de recursos financeiros como maior desafio enfrentado pela instituição que, conforme reforçou, não tem uma receita própria e cujas actividades são desenvolvidas através do financiamento externo.

“Outro aspecto que para nós é um desafio é que a OMCV não dispõe de um patrimônio grande relativamente às suas características de Organização Não Governamental, pois, neste momento dispomos de 16 centros e conseguir manter o total funcionamento desses espaços requer estratégias”, asseverou.

Idalina Gonçalves congratulou-se, por outro lado, com a criação de leis para garantir a protecção dos direitos das mulheres, defendendo, entretanto, uma maior fiscalização das mesmas para que as questões que afectam as mulheres cabo-verdianas e que precisam da celeridade de justiça, sejam resolvidas em tempo útil.

Garantiu ainda, que no âmbito do plano de intervenção, a OMCV pretende reforçar as suas linhas de acção, apostando na capacitação e formação e colaborar para melhorar a situação socioeconómica da mulher cabo-verdiana e para que os objectivos delineados sejam alcançados nos próximos 5 anos.

Para celebrar a efeméride, a Organização das Mulheres de Cabo Verde (OMCV) promove hoje, 27 de Março, na Cidade da Praia, uma noite de gala designada “Oru femia” em comemoração ao 38º aniversário de existência da instituição e dia da Mulher Cabo-verdiana e tem ainda previsto um leque de actividades a serem realizadas nas outras ilhas.

CM/FP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos