Nova Bastonária OFCV quer criar Conselho Directivo em São Vicente e promover a fidelização dos farmacêuticos

Cidade da Praia, 30 Abr (Inforpress)- A nova Bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde (OFCV) traça como meta a criação do Conselho Directivo em São Vicente, promover a fidelização dos farmacêuticos e trabalhar para o reconhecimento do farmacêutico enquanto profissional da Saúde.

Marcília Fernandes fez estas considerações hoje aos jornalistas a propósito da sua tomada de posse como nova bastonária da OFCV, substituindo assim Maria da Luz Leite, que foi eleita em 2016 a primeira Bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde.

Segundo a Marcília Fernandes, que exerceu o cargo de presidente da Assembleia Geral da direcção cessante, a implementação do Conselho Directivo Regional de São Vicente é uma aposta para a nova direcção, porque não conseguiram implementá-la no primeiro mandato, apesar de ser necessário para promover ainda mais a fidelização dos farmacêuticos de Cabo Verde, que é também uma meta.

“O primeiro mandato foi de facto um mandato de implementação e os maiores desafios foram vencidos em grande parte. Não tem sido tarefa fácil, já que somos ilhas e para o começo é difícil ter todos os colegas unidos, mas o desfio agora é a fidelização e participação activa de todos os farmacêuticos de Cabo Verde,” sustentou a mesma fonte, para quem a própria implementação da própria ordem e os vários regulamentos que foram trabalhados também foram grandes desafios.

Para além destes, conforme a farmacêutica, continuarão a ser grandes desafios a valorização profissional, as propostas a nível da legislação e a nível da formação contínua.

Para este novo mandato à frente da OFCV, Marcília Fernandes traça ainda como estratégia promover o reconhecimento do farmacêutico enquanto profissional da Saúde em concertação com outros organismos, nomeadamente o Governo, que, a seu ver, “terão que estar disponíveis para colaborar.”

Outra meta é a implementação da lei que obriga a que todos os profissionais dessa área estejam inscritos na ordem para que possam exercer o cargo de farmacêutico.

“A legislação prevê a obrigatoriedade. A questão é que nós estamos numa fase ainda incipiente da ordem e temos que fazer um trabalho de consciencialização dos colegas para que reconheçam a ordem como uma instância que tentamos criar durante vários anos. Agora ela existe e temos que lhe dar o crédito e seguir a legislação”, afirmou a nova Bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, entidade que tem neste momento 102 filiados a nível nacional.

CD/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos