Mulheres empreendedoras acreditam que obstáculos são apenas um incentivo para ultrapassarem seus problemas (c/áudio)

Cidade da Praia, 11 Dez (Inforpress) – As mulheres que estão a participar da primeira Convenção Nacional das Mulheres Empreendedoras realizada pela ONU Mulheres acreditam que os obstáculos são apenas um incentivo que as ajudem a ultrapassar os problemas no início dos seus negócios.

De hoje até sábado, a ONU Mulheres reúne, na Cidade da Praia, 50 mulheres de Santo Antão a Brava, algumas firmadas no mercado e outras ainda no sector informal, para que juntos possam encontrar soluções para os problemas que algumas estão a ter no início do seu negócio ou no crescimento da sua empresa.

Drússila Carvalho é uma jovem de São Domingos que há um ano resolveu apostar na criação de uma empresa “Pro Terra” de venda e distribuição de produtos “Made in Cabo Verde”, com sede na Cidade da Praia.

Esta jovem apontou o financiamento como sendo o “grande desafio” de todos os jovens empreendedores no país, entretanto, sublinhou, isto não é motivo para desistirem de realizar os seus sonhos.

“Não é fácil com o mercado que temos e nas condições que temos no nosso país, não é fácil ultrapassar essa fase, porque todos os dias deparamos com novas situações, mas o desafio é tentar ultrapassar cada situação”, disse, revelando que todos os dias busca inovar, fazer coisas que chamam atenção dos clientes e que promovam os produtos de Cabo Verde para possa fazer diferença no mercado.

Com essas sessões workshops, palestras e ‘networking’, Drússila Carvalho espera adquirir mais conhecimento para implementar e melhorar os seus serviços no dia-a-dia.

Ao contrário da jovem Drússila Carvalha, Ana Paula Rodrigues já tem uma marca reconhecia no mercado, a Trapos Polibel, fundada em 2009 em São Vicente.

Com a experiência e conhecimento adquiridos ao longo dos tempos, esta empresária acredita que está no “caminho certo”.

São esses conhecimentos que esta veterana quer passar aos seus colegas, porque acredita que é assim que poderão trilhar um “melhor caminho” e conseguir alcançar os seus objectivos.

“Tudo que eu tenho enfrentado tem sido com a minha garra, com a minha vontade de fazer e acredito que obstáculos não existem. Existe sim, uma vontade muito grande de realizar, de produzir e de ir mais além, o resto está na nossa cabeça, está na nossa força e na nossa atitude”, enfatizou.

Para Ana Paula Rodrigues, está no tempero e nos instintos das mulheres cabo-verdianas ter essa atitude de empreender, de abraçar um projecto e um sonho e de “colocar a mão na massa” para que esses projectos se concretizem.

Por sua vez, a artesã Floripes Soares, que criou a marca “Detalhes” não encara as dificuldades como um “bicho-papão”, mas sim um incentivo e uma forma de impulsionar as pessoas a fazerem algumas coisas.

“Penso que o problema está na forma de pensamento”, frisou.

Para além de participarem em palestras e workshop, essas 50 mulheres vão ter oportunidade de expor os seus produtos durante uma feira intitulada “Fetu Pa Mudjeris”, que decorre entre os dias 13 e 14 na praça Diogo Gomes.

 

AM/CP
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos