Mecanismos de perdão da dívida ajudam países a avançar a agenda climática- coordenadora das Nações Unidas

Santa Maria, ilha do Sal, 15 set (Inforpress) – A coordenadora das Nações Unidas em Cabo Verde destacou hoje a importância de ter mecanismos de perdão da dívida para dar oportunidade aos Estados Insulares de investir em programas que contribuam para avançar a agenda climática.

Segundo Ana Patrícia Graça, que falava na 9ª Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, que decorre em Santa Maria, na ilha do Sal, a África tem dado exemplos notáveis nesta área e Cabo Verde, em particular, tem apostado em projectos de energia renovável e noutros compromissos.

Por isso, sustentou que “é muito importante a questão de poder reinvestir em programas climáticos e sociais que são necessárias”, principalmente, sublinhou, nesta altura em que “os Pequenos Estados Insulares têm feito um esforço tremendo para enfrentar a dupla crise global, a da covid-19 e a crise climática”.

A coordenadora das Nações Unidas também enalteceu a “capacidade de resiliência de Cabo Verde, apesar dos choques climáticos”, apontando o País como uma “referência em África”.

Além da coordenadora das Nações Unidas em Cabo Verde, no painel “Uma transição justa e recuperação verde para a resiliência climática na África, participou o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, o ministro de Indústria Comércio e Energia, Alexandre Monteiro, entre outros responsáveis.

A 9ª Conferência sobre Mudanças Climáticas e Desenvolvimento em África é organizada pela Comissão Económica para África das Nações Unidas (UNECA), pela Comissão da União Africana e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) no quadro do Programa Clim-Dev, Clima e Desenvolvimento.

Conta com a parceria do Governo de Cabo Verde, através do gabinete do vice-primeiro-ministro.
CD/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos