Maio: População congratula-se com a retomada da festa de Santa Cruz como feriado municipal

Porto Inglês, 11 Jun (Inforpress) – Os maienses consideram que se fez “justiça” ao ser aprovada pela assembleia municipal a proposta de lei que volta a instituir feriado municipal o dia 03 de Maio, que celebra a festa de Santa Cruz.

Em declarações à Inforpress, o presidente da Associação da Tabanka de Djarmai, Luís António Freire, expressou a sua dupla satisfação, enquanto munícipe e rei da festa de Santa Cruz do próximo ano, pelo que considerou que se fez a reposição e “justiça cultural e histórica” com a ilha, visto que aquela manifestação centenária é um direito conquistado há muito tempo pelos maienses.

“Recebemos esta notícia com muito agrado, porque estávamos sempre habituados com a tolerância de ponto nesse dia, mas, do nada, há dois anos este dia deixou do sê-lo [feriado], pelo que a satisfação é generalizada no seio da associação e mesmo no meio maiense. E, tendo em conta que se está “numa onda” de valorizar a tabanka, disse que esperam mais engajamento das autoridades nesta festa no próximo ano.

Aquele representante lembrou ainda que, há menos de três décadas, a festa de Santa Cruz era celebrada como sendo o Dia do Município do Maio, por ser o mês da descoberta da ilha, que culmina com uma manifestação cultural mais antiga do Maio, pelo que disse acreditar que, no próximo ano, vai haver mais adesão das pessoas nesta festa que, por norma, é festejada durante um mês.

Luís Freire acredita igualmente que a tabanka e a festa de Santa Cruz já estão a contribuir para que a ilha apresente aos turistas um produto cultural diferente, no entanto, lembrou que ainda é preciso serem melhorados alguns aspectos.

A mesma fonte lembrou ainda que este ano um casal europeu acompanhou-lhes todas as noites, durante um mês, nos percursos com tambor aos diversos bairros da cidade do Porto Inglês.

Por seu lado, o vereador da Cultura da Câmara Municipal do Maio, Queita Santos, assegurou que esta iniciativa partiu da edilidade maiense, por entenderem que esta manifestação cultural merece toda a dignidade, por ser a mais antiga e a mais tradicional, referindo que, há dois anos, a edilidade não tinha conseguido uma tolerância de ponto para aquele dia, de modo a possibilitar aos maienses festejarem sem restrição naquele dia.

Por esta razão, Queita Santos considerou que esta medida é mais um contributo para fortalecer esta data que está a trazer mais dinâmica cultural à ilha, visto que a tabanka da ilha do Maio está a merecer uma “atenção especial”, tanto pelo Ministério da Cultura como pela autarquia, pelo que disse acreditar que esta decisão vai ao encontro dos ensejo dos festeiros que há dois anos vinham reivindicar isso.

WN/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos