Luxemburgo: “Gangsta” é o novo videoclipe de artista com descendência cabo-verdiana

Cidade da Praia, 13 Abr (Inforpress) – A artista luxemburguesa e filha de pais cabo-verdianos Arlette dos Santos regressa ao mundo da música com o videoclipe “Gangsta” cantado em português, contudo promete não deixar de lado a sua paixão pela língua materna dos seus pais, o crioulo.

A artista, que lançou as últimas músicas em 2009, nomeadamente “ Subi Riba palco”, “Tarracha” e “Give it to me”, fez uma pausa na sua carreira musical para seguir uma nova aventura como modelo Plus Size.

Conjuntamente com uma amiga criou um grupo “Plus size lux” para dar às mulheres “mais volumosas” apoio, para mostrá-las que elas são bonitas e elevar a sua auto-estima.

Conforme sublinhou, neste trabalho teve que descobrir e assumir a sua pessoa para depois transmitir para essas mulheres que “não importa o corpo que elas têm, mas o mais importante é valorizarem-se e assumirem-se como elas são”.

Depois de ter dado um contributo nesta área, contou que em finais de 2019 decidiu voltar ao estúdio para gravar “Gangsta”, uma música em que mostra uma clara diferença entre a menina de 10 anos atrás e a mulher que ela é hoje.

“Voltei para a minha paixão (…). Estou mais madura e as pessoas podem descobrir através da minha música e das minhas composições que agora sou mais mulher”, afirmou.

Apesar de cantar também em inglês, português, francês e espanhol, revelou que a maioria das suas músicas são escritas em crioulo porque sente-se mais “à vontade e mais inspirada” em criar músicas nesta língua.

Nas suas músicas, disse, relata histórias da sua vida ou histórias vividas pelas suas amigas, histórias que falam de dor, de superação e de amor.

“Escrevo sobre diferentes situações que aconteceram na minha vida e inspiro nas pessoas que estão ao meu redor ou nas mulheres que têm confiança em mim. A maior parte da música vem na minha língua natal”, afirmou.

Esta jovem diz ter uma forte influência dos ritmos europeus, entretanto gosta muito de fazer um casamento entre ritmos europeus e africanos. A sua preferência, revelou, é para o ritmo de Kizomba com influência de reggae.

Neste momento, Arlette prepara um segundo videoclipe no estilo reggae que será interpretado em crioulo e em espanhol.

Questionada se tem em vista a preparação de um álbum, disse que de momento pretende trabalhar em projectos para que possa ter a oportunidade de explorar vários estilos desde reggae, Kizomba e afrobeat.

“Se estou num álbum tenho de me concentrar numa única direcção, mas quando é projecto, mesmo que saem um atrás do outro, tenho mais liberdade de expressão, de deixar as pessoas descobrir o meu universo, e de desfrutarem um pouco do que tenho, antes de oferece-las um álbum”, disse.

Arlette disse à Inforpress que a música para ela é liberdade, é criatividade e dá-lhe a possibilidade de se expressar mais.

“A música é parte mais importante da minha vida. Posso ser mais tímida na vida real, mas na música posso ser aquilo que quero ser. Sinto-me mais aberta e é algo que me deixa expressar e de ser eu por completo”, confidenciou.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos