“Investir no desporto e na prevenção vai permitir ao país ganhos enormes em termos de saúde” – ministro

Cidade da Praia, 26 Mar (Inforpress) – O ministro de Estado afirmou hoje que o Governo está a fazer um “forte investimento” no desporto e na prevenção de modo a obter “ganhos enormes” em saúde e segurança social, mas com uma “juventude saudável”.

A garantia foi dada por Fernando Elísio Freire, hoje, depois de participar no painel “Investir nos jovens para alcançar a cobertura universal de saúde na região africana”, à margem do II Fórum da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a Saúde em África, que decorre na Praia sob o tema “Alcançando a cobertura universal de saúde e segurança sanitária: a África que queremos ver”.

O governante, que tutela a pasta dos Assuntos Parlamentares, da Presidência do Conselho de Ministros e do Desporto, adiantou que para além de apostar em programas de fomento de actividade física, “o mais importante” é ter uma “juventude saudável, com esperança e com capacidade de participação”.

“Um forte investimento no desporto e na prevenção permitirá ganhos enormes em termos de saúde e de segurança, social, e com uma juventude saudável, bem preparada e cosmopolítica que possa trabalhar no mundo inteiro temos todas as condições para sermos um país desenvolvido”, considerou.

Segundo o ministro, a ambição é ter uma juventude saudável e, para tal, é necessário criar e desenvolver programas de actividade física com jovens, apostando na prevenção com atitudes positiva perante a vida, defesa de valores fundamentais com menos álcool, não usar drogas e praticar actividade física, e isso exige educação e que os jovens estejam ocupados nas escolas, no trabalho com rendimento e capacidade participativa.

“Este investimento terá efeito no futuro e vai permitir ter adultos saudáveis, fazendo com que o país tenha menos custo na saúde e na segurança social”, assegurou o governante, que avançou que o Governo está a investir na prevenção e no acesso ao sistema de saúde jovem.

Por outro lado, reconheceu que neste momento o país tem ainda um “grande problema” relacionado com o consumo do álcool, que segundo Fernando Elísio Freire está ”a minar à sociedade cabo-verdiana”.

Na ocasião mostrou-se confiante de que com a aprovação da nova lei do alcoolismo, investimento na juventude e criação de programas em que os jovens vêm o futuro de uma forma mais saudável, será possível combater este flagelo, reconhecendo, embora, que os programas só terão sucessos se os jovens estiverem “implicados e comprometidos”.

Por seu turno Natasha Chibesa Mwansa, jovem activista da rede dos direitos das crianças e desenvolvimento da Zâmbia, que participou também no mesmo painel, considerou que independente da situação, opinião ou filiação política, todos os jovens devem ter acesso à saúde, “um direito e uma questão social”.

Natasha Chibesa Mwansa afirmou ainda que em alguns países africanos, o orçamento direccionado para a saúde reprodutiva dos jovens “é muito reduzido”, sendo que os jovens “não estão integrados neste orçamento de forma holística”, mesmo a nível da educação. w a maioria dos fundos não são aplicados de forma real, ou seja, para infra-estruturas, materiais e bens.

Segundo a activista é preciso responsabilizar os Governos pelos serviços que são e não são prestados, questioná-los e exigir respostas que justifiquem todas as medidas que estão a ser tomadas e implementadas

O evento de três dias reúne líderes globais e especialistas em saúde para identificar soluções viáveis para fortalecer os serviços de saúde africanos, promover uma segurança sanitária “mais eficaz” e “incentivar avanços significativos” para se alcançar a cobertura universal de saúde.

AV/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos