Ilha do Sal: As Contas de Gerência relativo ao ano 2018 traduzem um grande trabalho desta Câmara Municipal – autarca

Espargos, 30 Abr. (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes, considerou hoje que as Contas de Gerência relativo ao ano 2018 traduzem “um grande” trabalho desta equipa camarária, não só a nível de receitas como de despesas.

Júlio Lopes fez essas considerações no final dos trabalhos da XIII sessão ordinária que decorreu durante dois dias, marcada pela discussão das Contas de Gerência relativo ao ano 2018, entre apreciação e aprovação de outros diplomas.

“Um trabalho muito bom. Os números falam por si. Em termos de receitas acho que a Câmara Municipal está de parabéns, em termos de despesas, dos investimentos… a situação é também muito boa”, reiterou.

A bancada do Movimento para a Democracia (MpD situação), e o único deputado independente, Luís Delgado, fazem também avaliação positiva da execução orçamental, enquanto os eleitos do PAICV (oposição), têm leitura diferente.

“Uma Conta de Gerência equilibrada, dentro da legalidade. Exortamos a câmara a continuar a trabalhar nesta senda”, manifestou o líder da bancada do MpD, Nuno Lopes, cuja leitura é corroborada pelo deputado independente, Luís Delgado, antes representante da UCID.

Já na sua análise, Kátia Carvalho, líder da bancada do PAICV, questiona algumas “ilegalidades”, nomeadamente no que tange aos subsídios dos vereadores, no valor de 30 por cento acima do salário, entre outras situações.

“Do ponto de vista de gestão e das contas nós entendemos que há um desfasamento, os saldos que transitaram para o ano 2019 não estão claros. E o nosso maior espanto é quando não realizamos obras importantíssimas que têm impacto directo na qualidade da vida das pessoas e no destino turístico, vemos que há ainda um saldo de 70 mil contos que sobra e que dava para cobrir todas essas acções que ficaram em falta” exteriorizou, concluindo.

SC/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos