II edição de “Viagem pela história” recria ataque do pirata Jacques Cassard à Ribeira Grande de Santiago (c/áudio)

II edição de “Viagem pela história” recria ataque do pirata Jacques Cassard à Ribeira Grande de Santiago

Cidade da Praia, 01 Mar (Inforpress) – A II edição de “Viagem pela história” vai recriar, no mês de Junho, o ataque do pirata francês Jacques Cassard   à Ribeira Grande de Santiago, em 1712, informou hoje o presidente da câmara da Ribeira Grande de Santiago.

Segundo Manuel de Pina, este evento foi realizado “com sucesso” no ano passado, por isso este ano a autarquia tem uma “responsabilidade acrescida2 para manter o sucesso.

“Muita coisa precisa ser feita, estamos a fazer e temos pouco tempo, são dois meses de muito trabalho para superar a recriação do ano passado” declarou o autarca, que reconheceu que “não vai ser fácil”.

“Os meus colaboradores estão pensativos com a responsabilidade que assumimos, a partir de agora, mas tudo faremos para honrar e cumprir a nossa tarefa”, continuou, avançado que o orçamento, este ano, é de nove milhões de contos.

Para a materialização deste evento, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas e a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago rubricaram hoje, na Cidade da Praia, um protocolo de concessão e parceria, em que o Governo passa toda a responsabilidade à autarquia.

Com a recriação, considerou vão poder entender a “verdadeira dimensão” da história da cultura do património do sítio, e ainda vai ajudar na sensibilização e no envolvimento da população para a preservação do sítio histórico, já que vai “elevar a económica das famílias” e “dinamizar a economia” no concelho.

Por seu turno, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, parabenizou a autarquia pela “ousadia” que teve em solicitar que este evento passasse a ser realizado pela câmara e inclusive numa altura em que Ribeira Grande de Santiago comemora o 10º aniversário da sua elevação a património da humanidade.

“Eu creio que assumir a responsabilidade de em território próprio organizar um evento que tem a marca, o selo e a impressão digital de Cidade Velha é quase que uma obrigação. Podiam adiá-lo, mas, mais cedo ou mais tarde teria que acontecer, por isso é muito bom que aconteça agora e que a equipa se vá preparando para as próximas edições” afirmou.

Para o ministro, esse pedido lançado pela edilidade vai ao encontro da “filosofia e ideologia” do Governo, no sentido de serem os municípios a organizar a cultura e a promover os eventos com impacto local.

Entretanto, assegurou que os municípios vão continuar a contar com o “apoio logístico, planeamento e implementação” por parte do ministério.

Abraão Vicente avançou ainda que o Governo trabalha para fazer várias recriações históricas no Mindelo (São Vicente), nos municípios do Interior da Ilha de Santiago, no Maio e na ilha Brava.

AM/AA
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos