Homenagem a Germano Almeida ganha uma dimensão maior e transcende São Vicente, Boa Vista e Cabo Verde – ministro

Mindelo, 21 Nov (Inforpress) – O ministro da Cultura disse hoje que a homenagem a Germano Almeida ganha uma dimensão maior, não só para São Vicente, Boa Vista e Cabo Verde, mas também pelo facto de o mundo saber que há estórias a serem contadas pelo escritor.

Abraão Vicente falava na cerimónia de abertura da Escritaria dedicada a Germano Almeida, no Centro Cultural do Mindelo (CCM).

Segundo o ministro, o escritor merece ser a pessoa em Cabo Verde com que se começa a ensaiar o acto nobre de reconhecer publicamente os feitos de uma obra, de uma vida e de um percurso sem que ninguém vá ao facebook criticar que deixaram-no morrer para o homenagear.

“E eu creio que, tal como Cesária Évora, nós não podemos correr o risco de só depois da morte termos a total noção da dimensão da obra de Germano Almeida. Se há uma cidade no norte de Portugal sem nenhuma ligação moral, histórica, com Mindelo ou com a obra do Germano, mas que o escolheu para fazer uma desconstrução da sua obra e tirar todos os detalhes a partir do qual podemos construir esta figura, por que não nós. Por que não começar pela cidade do Mindelo”, indagou Abraão Vicente, para quem “a ideia do escritor se afirmar repetidamente como um contador de estórias simboliza a grandeza de se ser Germano Almeida”.

Para o ministro da Cultura esta homenagem foi possível graças ao apoio da Câmara Municipal de Penafiel (no distrito do Porto, Portugal) que em 2021 homenageou o escritor no 14.º Festival Literário Escritaria.

Para o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Augusto Neves, essa homenagem a Germano Almeida realizada no Mindelo, cidade que acolheu o escritor boavistense, nasce de um profundo reconhecimento do seu talento, da fecundidade da sua reflexão literária e da sua generosidade.

“Estamos aqui hoje para prestar esta singela homenagem a Germano Almeida e entendo que dado o valor e o carácter deste ser humano nós é que deveríamos sentir verdadeiramente homenageados, honrados e gratificados”, afirmou o autarca, defendendo que Germano Almeida edificou “uma brilhante carreira e causou orgulho aos seus, a este país e a sociedade mindelense”.

Conforme o autarca de Penafiel, Antonino Sousa, que esteve presente como parceiro da iniciativa, realizar a homenagem é honrar um compromisso que assumiram em 2021 na cidade de Penafiel, no 14º Festival Literário Escritaria, dedicado a Germano Almeida. Isto explicou, após o ministro da Cultura, Abraão Vicente, ter tido a visão de internacionalizar o festival, a começar pela cidade do Mindelo, onde o escritor vive.

“Levar o festival à terra do homenageado, porque se Germano Almeida estava a proporcionar tão bonitos momentos de reflexão em torno da sua vida e da sua obra, então na cidade do Mindelo, com certeza, que essa homenagem iria ser vivida de uma forma ainda mais emotiva e ainda mais envolvida”, contou.

Para o homenageado, o escritor Germano Almeida, trata-se de uma homenagem dedicada mais a Mindelo do que propriamente a ele.

“Porque efectivamente eu sinto que fui adotado pela cidade do Mindelo, onde eu vivo há quase 40 anos. Obviamente, tenho consciência que sou um homem da Boa Vista e a Boa Vista nunca saiu de mim, também sou homem feito pela cidade do Mindelo. De maneira que o meu agradecimento à cidade que, com todo o prazer, oferece-me esta homenagem”, afirmou o escritor, que se diz como um contador de estórias e que quer continuar a contar as estórias das gentes porque se as pessoas esquecerem as histórias podem repetir os erros do passado.

“Cabo Verde tem uma história dolorosa a nível das secas e das fomes e eu tenho insistido em contar isso para lembrar, para que essas coisas nunca se repitam na nossa vida. E, para mim, isto tem sido quase uma missão, contar estórias e saber de onde viemos para podermos de certa forma definir onde queremos ir”, arrematou.

Além da homenagem, fez parte da programação uma conversa em torno da Escritaria, abertura do espaço do livro especial – Germano Almeida, lançamento da sua mais recente obra “Infortúnio de um Governador nos Trópicos” de exibição do filme do Senhor Napumoceno da Silva Araújo, inspirado na obra de Germano Almeida.

Na quarta-feira prevê-se uma série de actividades integradas na Escritaria como visita a escolas secundárias da ilha de São Vicente, inauguração de uma silhueta em homenagem a Germano Almeida na Laginha, lançamento de livros, entre outras acções e encerramento oficial do evento.

CD/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos