Governo anuncia para início do próximo ano a revisão da lista de exames e de medicamentos comparticipados pelo INPS

Cidade da Praia, 10 Nov (Inforpress) – A ministra da Saúde, Filomena Gonçalves, anunciou hoje, na Praia, para os finais do primeiro trimestre de 2024, a atualização da lista de exames e de medicamentos comparticipados pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS).

A governante fez este anúncio quando respondia às questões dos deputados no parlamento relativamente à revisão da lista de exames, de medicamentos e da inclusão de outras terapias comparticipados pelo INPS que data de 2017, e sobre a situação das evacuações, entre outras.

“O Governo de Cabo Verde, através do Ministério da Saúde, tem vindo a trabalhar de uma forma a garantir a sustentabilidade em relação aos medicamentos e também a equidades aos cuidados de saúde por parte de todos os residentes em Cabo Verde”, começou por dizer a ministra.

Segundo a mesma, estão em andamento várias iniciativas, tendo destacado a actualização da lista de medicamentos essenciais, fundamentais, sobretudo neste momento de transição epidemiológica, onde, disse, após um longo trabalho foram adicionados novos medicamentos que vão ao encontro de novas especificidades do sector farmacêutico e da saúde em geral.

Nesta senda, informou ainda que a parte técnica da referida revisão já foi concluída, pelo que se está agora na fase de convocação de Conselho Nacional de Medicamentos que fará análise, avaliação e aprovação deste instrumento.
Filomena Gonçalves ajuntou, igualmente, que está sendo criada uma equipa para rever o diploma de comparticipação de medicamentos.

“Nós entendemos que é fundamental alargar a comparticipação lá onde for preciso em medicamentos que antes não tinham coparticipação, mas principalmente justo de medicamentos que foram adicionados nesta alteração que se vai fazer à lista de medicamentos essenciais”, esclareceu.

O objectivo destas iniciativas, sublinhou a governante, passa pela melhoria da cobertura farmacêutica em Cabo Verde, adaptando a lista à realidade do País, e contribuir para acessibilidade por parte dos resistentes aos medicamentos essenciais.

“Estamos a ver se no início do próximo ano, quiçá finais do primeiro trimestre, estaremos a fechar este pacote que é muito importante, porque com a transição epidemiológica hoje ao medicamento, tratamentos que carecem de facto de cobertura que tem que ver com dignidade humana. E estamos a trabalhar nisso porque temos a consciência desta necessidade”, comunicou.

Por outro lado, revelou que o Governo procura potenciais investidores, tendo em vista a instalação e produção em Cabo Verde de uma industrialização de medicamentos para entrar, sobretudo, no mercado da CEDEAO.

A nível de evacuações internas, a governante garantiu que está em curso a implementação do projecto que contempla deslocação dos especialistas às ilhas, mas anunciou que está em cursos a instalação de emergência pré-hospitalar, um pacote “muito ambicioso, transversal” que permitirá dar respostas, reduzindo “drasticamente o tempo para se fazer as evacuações.

“No que tange às evacuações externas há muitas melhorias em termos de cardiologia de intervenção para colocação de pacemakers, temos uma dupla equipa no hospital Agostinho Neto mais Batista de Souza, já temos a implementação de Centro de cuidados intensivos, a implementação das quimioterapias que contribuiu e de que maneira para diminuição das evacuações (…)”, mencionou.

Informou ainda que já está a caminho de Cabo Verde, no âmbito do projecto “Via Verde AVC”, o medicamento Alteplase, que se ministrado no período de quatro horas e meia a pessoa fica sem nenhuma sequela derivado do derrame.

TC/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos