Governo almeja construir períodos alargados e sustentáveis de bonança depois da “tempestade” covid-19

Santa Maria, 03 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, manifestou hoje, na ilha do Sal, a determinação do Governo em construir “períodos alargados e sustentáveis de bonança” depois da tempestade” covid-19.

Ulisses Correia e Silva fez estas declarações no acto de abertura da segunda edição do Fórum Mundial sobre o Investimento Turístico em África (FMITA), que decorre paralelamente à 64ª Reunião da Comissão Regional da Organização Mundial do Turismo (OMT) para África.

“Depois da tempestade que tem sido a pandemia da covid-19, temos que construir períodos alargados e sustentáveis de bonança. É nesse sentido que associamos a nossa estratégia de recuperação económica a transformações estruturais”, reiterou o governante, evocando algumas transformações estruturais que poderão tornar o país mais resiliente e com uma economia mais diversificada.

Segundo Ulisses Correia e Silva, essas transformações estruturais, a longo e médio prazos, conforme prognosticou, poderão melhorar as qualificações e competências dos recursos humanos para aumentar a eficiência e a produtividade da economia, e disseminar atitudes empreendedoras nos jovens.

Tornar o Estado melhor líder e indutor do desenvolvimento sustentável, robustecer o tecido empresarial nacional, reforçar a competitividade do país e a atractividade do investimento externo, promover a transformação digital, posicionar Cabo Verde como uma plataforma de exportação com base em factores distintivos como a segurança, a estabilidade e confiança, associados à sua localização geográfica, entre outros aspectos, são também perspectivas dessa transformação a que se propõe.

“Este é o caderno de encargos da nossa agenda 2030 para a construção de um futuro melhor. A pandemia da covid-19 confinou muita coisa, mas não confinou a nossa ambição de atingir o desenvolvimento sustentável em 2030”, desenhou Ulisses Correia e Silva que diz confiar no futuro.

“Porque o futuro é uma construção humana. É o ser humano que toma decisões que nos levam a crises. É o ser humano que toma decisões para a saída de crises e para períodos de prosperidade. Deus estará a ver e a ajudar, mas a decisão é nossa, e particularmente das lideranças. O futuro melhor está ao nosso alcance”, discorreu, para concluir.

Renovando que depois da tempestade que tem sido a pandemia da covid-19, vem a bonança, Ulisses Correia e Silva assegurou que o Governo está apostado na diversificação e desconcentração de ofertas turísticas, aproveitando as potencialidades de cada uma das ilhas para desenvolver, além do turismo de sol e praia.

Assim, o ecoturismo, o turismo de saúde, de desportos náuticos, de eventos, de negócios, são algumas das apostas para o sector do turismo, considerado motor da economia de Cabo Verde.

“Vamos juntos, Estado e sector privado, aprimorar os produtos que já existem e criar as condições para que os investidores inovem e explorem outras potencialidades de oferta de produtos e serviços turísticos”, augurou, desafiando os participantes deste evento a virem mais vezes por forma desfrutarem dos atractivos e beleza natural deste pequeno país.   

SC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos