Fogo/Futebol: ARFF reuniu-se com dirigentes desportivos para socializar a organização das provas (c/áudio)

São Filipe, 04 Nov (Inforpress) – A direcção da Associação Regional de Futebol do Fogo (ARFF) reuniu-se hoje com os dirigentes das equipas do primeiro e segundo escalões para socializar os aspectos relacionados com a organização das provas regionais.

O presidente da direcção da ARFF, Pedro Pires, disse que o objectivo era socializar a organização de todas as provas, nomeadamente a taça intercampeões que é disputada hoje entre Vulcânico e Juventus de Curral Grande, a supertaça a ser disputada no dia 11 entre Académica e Vulcânico, assim como os campeonatos regionais do primeiro e segundo escalões, sub17, sub19 e futebol feminino.

“O encontro foi produtivo e socializamos todos os aspectos da utilização de uma ferramenta importante para organização do futebol que é ‘FIFA connect’ que é já do conhecimento de todos os dirigentes”, disse Pedro Pires, acrescentando que esta época esta ferramenta será utilizada de forma plena.

Para o mesmo, trata-se de um desafio enorme a utilização das novas tecnologias que estão ao serviço do futebol para uma melhor organização das competições, sublinhando que a mesma permite a inscrição das equipas na plataforma de forma correcta, evitando aspectos do passado como a dupla inscrição de jogador a jogar de forma irregular ou ilegal.

“Esta ferramenta permite que todas as equipas tenham acesso ao relatório do conselho de disciplina sem que o conselho tire o comunicado em formato papel, ter a melhor organização da arbitragem em que os árbitros passam a fazer os relatórios dos jogos directamente na plataforma”, disse, apontando outros espectros como o acompanhamento de um jogador que se inscreve na plataforma numa escola de iniciação desportiva ao longo da sua carreira.

Durante o encontro, o presidente da direcção da ARFF desafiou as equipas a criarem uma escolinha de futebol ou, pelo menos, ter um conjunto de crianças e adolescentes que vão crescer dentro de cada equipa.

Pedro Pires disse que a criação de escolinhas pressupõe infraestruturas e/ou melhor gestão das infra-estruturas existentes, observando que ainda esta época regista-se o deficit com o estádio 5 de Julho, mas que com a sua conclusão, mesmo para competições, vai libertar outros campos para ter escolinhas de iniciação de futebol a funcionar em pleno.

“O futuro do futebol passa necessariamente pelo investimento nas escolinhas de iniciação e na formação”, disse Pedro Pires, para quem organizar um conjunto de jogadores com alguma qualidade para ganhar um campeonato e não ter continuidade e sustentabilidade na equipa não é o melhor caminho e os dirigentes terão de reflectir sobre isso.

Com relação ao primeiro escalão cujo campeonato inicia a 18 de Novembro, Pedro Pires confirmou a ausência da formação de Unidos do Norte e por isso esta competição contará com nove equipas, sendo seis de São Filipe nomeadamente Académica, Botafogo, Juventude, Juventus de Curral Grande, Valência e Vulcânico, e três dos Mosteiros Cutelinho, Grito Povo e No Pintcha.

Com relação ao campeonato de segundo escalão, cujo sorteio será realizado no próximo dia 18, assim como o sorteio para a Taça Fogo em Futebol, conta com 11 equipas e com o regresso do Spartak que na época passada ficou de fora após ter sido despromovido ao segundo escalão na época 2021/22.

Das equipas do segundo escalão, seis são do município de São Filipe, nomeadamente Atlântico, ABC, Brasilim, Luzabril, Spartak e União de São Lourenço, quatro de Santa Catarina do Fogo Baxada, Desportivo, Pavense e Parque Real e um do município dos Mosteiros, Atlético.

“Esperamos ter maior engajamento de todas as equipas no processo porque por mais bem-intencionado e programado que for se não tiver engajamento dos dirigentes pode ser um fracasso”, disse Pedro Pires, para quem, além da Inovação tecnológica, o futebol da ilha tem um problema maior e que tem a ver com a questão disciplinar e apelou aos dirigentes para melhorar o aspecto disciplinar e entender como deve estar no futebol.

O regresso do Spartak é, no dizer de Pedro Pires, mais um ponto positivo para o futebol da ilha, lembrando que se trata de uma equipa que já foi campeã do Fogo e que se reorganizou para entrar no campeonato.

Pedro Pires destacou a postura “muito positiva” que a equipa teve durante a ausência nas competições e por isso deseja sucesso à mesma no campeonato regional do segundo escalão porque, explicitou, “é mais alguns jovens que serão engajados em alguma coisa útil de ocupação de tempo livre e na construção de uma sociedade mais equilibrada”.

JR/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos