Covid-19/Santa Catarina: “O essencial não vai faltar às famílias mais necessitadas” – presidente da câmara

Assomada, 03 Abr (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina garante que durante o Estado de Emergência, decretado no país por causa da Covid-19, que o essencial não vai faltar às famílias mais necessitadas desse município do interior de Santiago.

“O balanço das medidas de contingência avançadas pela câmara é positivo, temos verificado que os munícipes estão a cumprir as orientações, especialmente a cidade de Assomada tem-se mantido calma, sem concentração de pessoas, o que é muito bom para o contexto em que vivemos”, afirmou José Alves Fernandes, em entrevista divulgada no site da autarquia.

Nesse sentido, lembrou que a câmara municipal, através da Casa da Sopa e Loja Social tem em curso a distribuição de cestas básicas às famílias consideradas mais carenciadas de várias localidades do concelho, assegurando que as mesmas não são para 15 dias e que haverá um reforço durante este período da pandemia provocada pelo novo coronavírus (covid-19).

“Há aqui um equívoco. Ninguém disse que as cestas básicas são para 15 dias. Esta é a primeira ronda que fizemos. Faltam-nos apenas quatro zonas que irão ser cobertas esta sexta-feira. E outras rondas se seguirão para reforçar abastecimentos e garantir que o essencial não falte às famílias”, afiançou.

José Alves Fernandes, que está a cumprir as determinações para o confinamento em casa, mas, que, no entanto, tem acompanhado de perto todo o processo de apoio às famílias carenciadas, informou que até esta quinta-feira, foram entregues cerca de 1000 cestas básicas em várias localidades.

Ainda sobre as cestas básicas, o executivo camarário avançou que já estão prontas mais duas mil, e que irão intensificar as distribuições após o cruzamento das informações.

“Tivemos um ligeiro abrandamento, tendo em conta as outras medidas anunciadas, para evitarmos muitas duplicações, mas também porque tivemos engajamento de novos parceiros, nomeadamente a Fundação Cabo-verdiana de Acção Social e Escolar (FICASE), visando beneficiar famílias com crianças”, aclarou.

Além do apoio da FICASE, lembrou que a edilidade recebeu muitos donativos de empresas com sede no concelho, para apoiar famílias mais carenciadas, mas também famílias numerosas com crianças, cujos beneficiários são escolhidos com base nos dados do Cadastro Social Único (CSU).

A mesma fonte que afiançou que a distribuição das cestas básicas “está a decorrer a bom ritmo”, adiantou que a câmara prevê gastar 12 mil contos no apoia às famílias, sobretudo as mais carenciadas.

No entanto, admitiu que este valor “poderá ser alterado em função da evolução da situação”.

Além de distribuir cestas básicas às famílias mais carenciadas nas suas próprias localidades, a câmara decidiu manter aberta as portas da Casa da Sopa e Loja Social para continuar a apoiar os “clientes” desses dois projetos sociais desse município do interior de Santiago.

Em relação aos apoios financeiros a rabidantes e ao comércio, o presidente da câmara esclareceu que o valor por beneficiário já foi definido [pelo Governo], mas que ainda estão em fase de preparação dos processos, e que contam “muito em breve ter mais detalhes disponíveis.

Questionado se caso for prorrogado o Estado de Emergência se a câmara está em condições e tem capacidade de resposta, José Alves Fernandes respondeu nesses termos: “Nós vamos manter-nos atentos, serenos, acompanhando a evolução e, em caso de prorrogação, vamos ajustando as nossas decisões”.

Na ocasião, assegurou que “até ao momento, a cooperação do Governo “não merece qualquer reparo”.

“Tem havido uma boa articulação com o Governo, estão a responder positivamente às nossas preocupações, e têm orientado as delegações no sentido de trabalharem em estreita articulação com a câmara. Este processo está a decorrer num clima de normalidade, pese a anormalidade do momento que vivemos”, vincou.

Dirigindo-se aos santa-catarinenses, José Alves Fernandes apelou “ao reforço da solidariedade”, neste “momento difícil”, afirmando que juntos vão vencer a luta contra essa pandemia.

Em Santiago Norte, a mesma iniciativa está sendo levada a cabo pelas demais câmaras municipais, que nos últimos dias têm estado a receber bens de primeira necessidade dos comerciantes chineses e outros parceiros.

Também na região, todos os serviços das câmaras municipais estão encerrados, estando a funcionar somente os serviços “essenciais”, mormente Protecção Civil, Delegacia de Saúde e mercados municipais, mas com número reduzido de vendedeiras.

Todos os seis municípios que compõem a região – Santa Catarina, São Salvador do Mundo, São Lourenço dos Órgãos, Santa Cruz, São Miguel e Tarrafal – têm em marcha as medidas de prevenção e sensibilização, no âmbito do plano de contingência nacional e controlo da covid-19.

FM/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos