Covid-19: Governo vai investir 45 mil contos no reforço da distribuição de água nas zonas rurais em Santiago

Cidade da Praia, 14 Abr (Inforpress) – O Governo vai investir 45 mil contos para reforçar a distribuição de água nas zonas rurais da ilha de Santiago e satisfazer as exigências acrescidas de higiene pessoal, individual e colectiva solicitada durante período da pandemia da covid-19.

A garantia foi dada pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, na abertura do encontro com as instituições sociais para avaliação da aplicação das medidas de protecção social implementadas pelo Governo, no âmbito da luta contra o novo coronavírus.

“O Governo acabou por reforçar uma medida aprovada na segunda-feira, o investimento de 45 mil contos para o reforço da distribuição de água nas zonas rurais nas ilhas de Santiago muito atingidas pelas secas para satisfazer as exigências acrescidas de higiene pessoal, individual e colectivas solicitadas nessa fase de luta contra a pandemia do covid-19”, indicou.

A nível da protecção social, considerou, é necessário redobrar esforços e atenção para que os benefícios possam chegar atempadamente aqueles que mais necessitam, de uma forma organizada e estruturada, na base de programas de protecção ou rendimento das famílias e dos cuidados que estão em execução.

“É preciso ressaltar que nesta área há uma grande propensão para politização, e a politização e partidarização do combate ao covid-19 é o que o país menos precisa e seguramente a grande maioria dos cabo-verdianos não desejam, é por isso necessário não perder o foco que é salvar a vida das pessoas através da prevenção e salvar o país de situações mais complicadas de propagação do covbid-19”, referiu.

Na ocasião disse que a linha verde tem sido um “bom auxiliar” na dimensão psicológica relacionada com o confinamento em casa, sendo que “não há registos significativos” de casos de violência baseada no género, o que demonstra, aclarou, que as respostas ”têm sido positivas”.

O primeiro-ministro reconheceu que adesão “tem sido boa” e destacou o papel desempenhado pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), Fundação Cabo-verdiana de Acção Social e Escolar (Ficase), Plataformas das Organizações Não Governamentais (ONG) Cruz Vermelha de Cabo Verde (CVCV) e as instituições de micro finanças, durante esse período.

Ulisses Correia e Silva assegurou que desde a primeira hora, como tem acontecido um pouco por todos os países, o Governo definiu a protecção da saúde como “a primeira e grande prioridade”, com implicações a nível individual, das famílias, das comunidades e nacional, e apostou na prevenção com medidas “assertivas a atempadas”.

Segundo o chefe do Governo, a propagação e o contágio peloo vírus fazem-se entre as pessoas e por isso nenhuma razão deve ser invocada, “incentivada ou estimulada” para violar as regras e colocar em risco a vida das pessoas, das famílias e das comunidades, daí a necessidade de cada um assumir a sua responsabilidade.

“Apesar de o País ter registado poucos casos, a situação ainda é de risco de contágio e de propagação em que a grande maioria os cidadãos tem respondidos positivamente as medidas de contenção e as restrições em vigor, mas é preciso consolidar os ganhos reduzir os riscos para os níveis ainda mais baixos e aceitáveis tendo em conta as tendências epidemiológicas da situação em Cabo Verde”, constatou.

Assegurou que o Governo é favorável ao prolongamento do estado de emergência para os próximos dias e que a mesma será “progressiva e controlada”, para que as restrições que estão em curso e a retoma da actividade económica possam ser conciliáveis.

Para finalizar, apelou mais uma vez a todos no sentido de não baixar a guardar, sendo preciso, acrescentou, continuar a apostar na prevenção e a reforçar as medidas de protecção individual, de distanciamento social e fazer com que o confinamento social em casa seja “cumprido rigorosamente” durante o perdido de emergência.

AV/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos