Covid-19: Governo recomenda uso generalizado de máscaras com obrigatoriedade nos espaços de atendimento (C/áudio)

Cidade da Praia, 24 Abr (Inforpress) – O Governo determinou hoje o uso obrigatório de máscaras nos espaços fechados de atendimento ao público, sendo que a recomendação é que todos cidadãos passem a  usar máscaras nos  espaços com aglomerações.

Esse anúncio foi feito hoje pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, numa declaração à nação para falar do reforço das medidas para conter a propagação do novo coronavírus em Cabo Verde, sobretudo no momento em que o País se prepara para levantar o estado de emergência em vigor até ao dia 02 de Maio, nas ilhas com casos da Covid-19, e até 26, nas ilhas sem casos positivos.

O chefe do Governo adiantou que até  que esteja disponível uma vacina é preciso continuar a prevenir  e proteger.

Neste sentido disse que vão ser ser reforçadas as  medidas de precaução  em saúde pública, relativas à protecção individual e  higienizacão  e vigilância sanitária  entre as quais o uso de máscaras

“É obrigatório o uso de máscaras  faciais em espaços  interiores fechados de atendimento ao público, quer por parte de trabalhadores, quer por parte de utentes ou clientes. É recomendado a todos cidadãos o uso de mascaras faciais, particularmente, em situações de aglomeração de pessoas”, disse.

A recomendação é que também as pessoas mais vulneráveis,   nomeadamente os idosos com mais de 65 anos, com doenças  crónicas e com imunidade baixa usem máscaras cirúrgicas sempre que saírem de casa.

“Esta é uma recomendação”, realçou o chefe do Governo, adiantando que empresas que operam em Cabo Verde  já estão a ser certificadas para produzirem máscaras comunitárias ou sociais, com incentivos fiscais e aduaneiros, que tornem os preços mais acessíveis aos cidadãos.

Por outro lado, indicou que medidas de acção social  serão accionadas para permitir o acesso a essa dispositivo de protecção do vírus, por parte de pessoas mais vulneráveis,  em termos económicos e sociais inscritas no cadastro social único.

Igualmente anunciou que investimentos estão a ser feitos  para dotar o País  de um “bom estoque” de máscaras cirúrgicas  profissionais e comunitárias para os próximos seis meses.

“Serão implementadas medidas permanentes de organização dos  serviços públicos  de higienização  regular e obrigatória nos espaços  de atendimento ao público, incluindo  transportes públicos de passageiros tanto aéreos, marítimos e rodoviários”, disse, apontando também incentivos fiscais que  vão ser criados também para a produção de comercialização de gel desinfectante.

Neste sentido anunciou que já na terça-feira o Governo  vai levar ao parlamento  para aprovação uma proposta de lei para a criação desses incentivos fiscais, tanto para a produção nacional tanto de máscaras comunitárias como de gel desinfectante, para poder baixar os custos e, consequentemente, os preços.

Ulisses Correia e Silva sublinhou que o fim do estado de emergência em Cabo Verde não significa o desaparecimento de vírus e nem o fim do  contágio.

Por isso, muitas medidas de restrição vão continuar devendo as mesmas serem levantadas paulatinamente, em função  do estado epidemiológico de cada ilha.

“Temos que nos preparar para conviver com o vírus com menor prorrogação possível. Este é o entendimento dos cientistas dos investigadores  e da OMS”, disse, apelando as pessoas para cumprirem as regras e a saírem de casa só em casos de “extrema necessidade”.

Cabo Verde regista actualmente 82 casos de covid-19, sendo 52 na ilha da Boa Vista, 28 no município da Praia (dois dos quais vindos da Boa Vista), um no concelho do Tarrafal e um na ilha de São Vicente.

Dos casos confirmados, registou-se um óbito, um cidadão inglês de 62 anos, que se encontrava de férias na ilha da Boa Vista, e um doente recuperado.

A nível global a pandemia de covid-19 já provocou mais de 184 mil mortos e infectou mais de 2,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

MJB/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos