Covid-19: Direcção da Farmácia Central pondera encerrar serviço por ausência de resposta a pedido de livre circulação

Cidade da Praia, 04 Mai (Inforpress) – O subgerente da Farmácia Central afirmou hoje que a direcção pondera encerrar os serviços farmacêuticos devido a falta de resposta, por parte da Protecção Civil, ao pedido de livre circulação durante o estado da emergência vigente no País.

Em declarações à Inforpress, o subgerente Jorge Frederico revelou que há 12 dias submeteu o pedido de livre circulação que permite aos técnicos da referida farmácia no Platô se deslocarem em serviço, tendo em conta o contexto da pandemia do novo coronavírus e a prorrogação do estado da emergência no País.

Entretanto, prosseguiu, até ainda, para além de uma notificação via correio electrónico de que o pedido foi feito com sucesso, não receberam nenhuma resposta referente a autorização para a livre circulação dos mesmos.

Adiantou ainda que com a prorrogação do estado da emergência a farmácia tem que fazer novo pedido, mas que tal não tem sido possível através da plataforma.

“Temos que fazer um novo pedido, mas não estamos a conseguir porque a plataforma diz que a nossa farmácia já tem um pedido efectuado, ou seja o sistema não nos permite”, disse.

Segundo o responsável, face à esta situação a direcção da Farmácia Central tem tentado “sem sucesso” entrar em contacto com a Protecção Civil, já que, sem a livre circulação, os técnicos não podem deslocar-se ao serviço porque correm o risco de verem apreendidas as suas viaturas por parte da Polícia Nacional, até o término do estado da emergência.

“Como sabemos não temos o serviço de transporte público e hoje um agente da Policia Nacional apreendeu a nossa viatura porque não tínhamos a autorização, mas explicamos o sucedido e ele acabou por nos liberar, mas não quer dizer que o próximo agente será também compreensivo”, declarou.

E sem nenhum feedback por parte da Protecção Civil e sem autorização de livre circulação de técnicos e veículos, salientou, a direcção pondera encerrar nos próximos dias os serviços farmacêuticos, lembrando que os serviços da farmácia principalmente nestas circunstâncias de pandemia do novo coronavírus “não podem ficar encerrados”.

Contactado pela Inforpress, o técnico superior da Protecção Civil Antero Lopes sem confirmar esta situação disse que com a prorrogação do estado de emergência e a publicação do decreto-lei, todos os pedidos para a livre circulação feitos anteriormente já foram revogados e que as entidades e empresas que necessitam de autorização devem submeter o pedido através da plataforma e que os mesmos serão respondidos.

Dados mais recentes apontam que o número de mortes provocadas pela covid-19 em África ultrapassou hoje os 1.800, com mais de 44 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas o número de mortos subiu de 1.754 para 1.801, enquanto as infecções aumentaram de 42.713 para 44.483.

O número total de doentes recuperados subiu de 14.152 para 14.921

O norte de África mantém-se como a região mais afectada pela doença, com 1.112 mortos e 16.926 casos registados.

Na África Ocidental há 288 mortos e 11.871 infecções.

Cabo Verde registou nas últimas 24 horas mais dez casos de Covid-19, todos na cidade da Praia, elevando para 175 o número de infectados em todo o país, conforme dados avançados pelo Ministério da Saúde e Segurança Social.

CM/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos