Conselho Ministros autoriza contratação de 158 novos professores para o ano lectivo 2019/20 (c/áudio)

Cidade da Praia, 22 Mar (Inforpress) – O Governo já aprovou a contratação de 158 docentes do ensino básico e secundário para o ano lectivo 2019/20 e a realização de despesas com a impressão de manuais e aquisição de géneros alimentícios para as cantinas escolares.

Os projectos de resolução foram aprovados esta quinta-feira durante a reunião do Conselho de Ministros e apresentados hoje, em conferência de imprensa, pelo ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, que enquadra as iniciativas no âmbito da preparação do ano lectivo 2019/20.

Segundo explicou os 158 professores a serem contratados pelo Ministério da Educação servirão essencialmente para dar corpo ao novo modelo curricular que o Governo está a implementar no país e também para substituir professores que estão a ir para aposentação.

“Nos próximos anos vão para reforma cerca de 200 professores o que demonstra claramente uma necessidade de renovação dos docentes do ensino básico e secundário e o Governo está a permitir, por um lado, a substituição desses professores e, por outro lado, permitir com que haja professores adaptados ao novo curriculum que estamos a desenvolver, com competências a nível das línguas, da matemática, e da tecnologia”, sustentou.

Fernando Elísio Freire frisou que sempre há constrangimentos no início do ano lectivo, com turmas sem professores e falta de livros, pelo que avançou que o Governo está a trabalhar para que esses constrangimentos sejam cada vez menores.

Ainda no quadro da preparação do ano lectivo 2019/20 o Conselho de Ministros aprovou o projecto de resolução que autoriza a Fundação Cabo-verdiana de Acção Social Escolar (FICASE) a realizar a contratação pública para a impressão e reimpressão dos manuais escolares do 1º  ao 12º ano de escolaridade.

Essa contratação terá um custo de 70 mil contos e os cadernos de encargo definirão os mecanismos em que tal contratação será efectuado, explicou o ministro.

Foi aprovado também o projecto de resolução que autoriza a FICASE a fazer contratação pública para o fornecimento dos géneros alimentícios básicos para a sustentação das cantinas escolares.

Ao todo a FICASE está autorizada a fazer uma despesa de 118 mil contos para o efeito que permitirão á instituição dar resposta à política do Governo de reforçar as cantinas escolares.

“É uma aposta muito grande do Governo. Como sabem tivemos nos dois últimos anos o aumento do número de escolaridade mínima obrigatória, ou seja, passou de seis anos para oito anos e neste momento a gratuitidade chega aos 10 anos o que implica o reforço das cantinas escolares no nosso país. É nestes casos que estamos a autorizar a FICASE a fazer esta despesa de 118 mil contos”, adiantou o ministro.


MJB/FP

Inforpress/fim

 

 

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos