Compacto Lusófono vai promover o financiamento de projectos de “investimentos estruturantes” nos PALOP

Santa Maria, Sal, 01 Jul (Inforpress) – O compacto lusófono hoje assinado durante o Cabo Verde Investimento Fórum vai promover o financiamento de projectos de “investimentos estruturantes” nos PALOP e para o país pode atingir os 470 milhões de dólares americanos.

Este compacto lusófono é financiado por Portugal, Banco Africano do Desenvolvimento e pelo Brasil e terá incidência em sectores como água, energia, agro-negócios, saneamento, infra-estruturas e turismo nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, disse, na ocasião, que se está perante um acto de “criação de oportunidades”.

“Cabe ao sector privado aproveitá-las (oportunidades) e apresentar projectos bancáveis e que preencham requisitos para serem financiados”, indicou o governante, acrescentando que tais projectos terão que criar valores e que só faz sentido o país dispor de empresas e empresários “se for para criarem valores”.

Para a secretária de Estado do Turismo de Portugal, Ana Mendes Godinho, que participou num dos painéis do Fórum, o compacto lusófono é um acordo para um “instrumento especial” para o desenvolvimento de projectos em Cabo Verde por parte de empresas portuguesas.

“Acreditamos que através deste instrumento se vai ajudar a desenvolver vários projectos de desenvolvimento sustentável para cumprir este compromisso de cooperação assumido entre os dois governos”, afirmou a governante portuguesa.

Por sua vez, o ministro do Turismo e Transportes, José Gonçalves, considerou que este compacto vai ser um “elemento facilitador” no domínio dos negócios entre Cabo Verde e Portugal.

LC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos