Comissões para a Igualdade de Género e para saúde do Parlamento Pana- Africano vão se reunir em Cabo Verde em Agosto

Cidade da Praia, 14 Mai (Inforpress) – A Comissão Conjunta para a Igualdade de Género, Família e Pessoas com Deficiência e a Comissão Permanente de Saúde e Questões Sociais do Parlamento PAN- Africano vão reunir-se em Cabo Verde de 005 a 9 de Agosto.

Esta informação foi avançada à imprensa hoje pela deputada Lúcia Passos, que, recentemente, foi eleita presidente da Comissão Permanente para a Igualdade de Género, Família, Juventude e Pessoas com Deficiência, no Parlamento Pan Africano (PAP), com sede em Midrand, África do Sul.

“Estarão em Cabo Verde mais de 30 países que vão trazer as suas experiências e que também vão aprender connosco. Vamos fazer uma partilha de experiência nesses domínios e também estaremos a vender a imagem do nosso país”, anunciou.

Conforme Lúcia Passos, durante a descentralização da comissão a Cabo Verde, que normalmente se realiza na África do Sul, vão promover três painéis com a participação de especialistas dos outros países, organismos internacionais, o Governo de Cabo Verde e outras instituições.

Um deles tem a ver com a saúde, no qual vão trabalhar a questão da tuberculose que está a ser tratada este ano por uma comissão de alto nível do parlamento Pan-americano.

O segundo painel será dedicado à Igualdade do Género com vertente da participação política das mulheres e o terceiro terá como tema a juventude, tema sobre os quais especialistas dos outros países, organismos internacionais, o governo e outras instituições vão se debruçar.

Segundo Lúcia Passos, a realização da Comissão Permanente para a Igualdade de Género, Família, Juventude e Pessoas com Deficiência em Cabo Verde vai ao encontro dos objectivos de fazer a interacção da Agenda 20-30 das Nações Unidas com a Agenda 20-63 da União Africana (UA) e de fazer a fiscalização das políticas nacionais, integradas também com o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS).

Para além disso, a mesma fonte adiantou que, a nível da UA, o Centro Internacional para a Educação das Raparigas e Mulheres está interessado em vir para Cabo Verde no mês de Novembro. Pelo que vai encetar contactos com o ministério da Família e Inclusão Social para que essa oportunidade se efective.

“A partir dali será a oportunidade para Cabo Verde de ter o acesso a financiamento para a implementação dos programas que concorrem para a promoção da igualdade do género, para a promoção da família, para a promoção da nossa juventude”, defendeu, lembrando que cabo Verde deve juntar as sinergias para que o país tenha acesso aos financiamentos a nível da UA, da NEPAD e de outros organismos que estão disponíveis e que não tem sido aproveitado.

Falando da sua presidência à comissão, Lúcia Passos entende que é importante para o reconhecimento de Cabo Verde, para a integração regional e continental e para partilhar a experiência do país em termos de política de igualdade de género, dos programas a nível da promoção da juventude, das pessoas com deficiência, mas sobretudo e também para que cabo Verde possa aprender com os outros países.

“Não temos a responsabilidade de zelar para ratificação dos protocolos e dos acordos a nível da União Africana e vamos fazer esse trabalho interno, de verificar os protocolos que ainda não foram ratificados pelo país para fazer a sua ratificação”, explicou Lúcia Passo, lembrando ainda que será uma oportunidade para trazer a Cabo Verde leis modelos a nível do Parlamento PAN – Africano que sirvam de exemplo para actualização dos normativos no país.

CD/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos