Cidade Velha: Município está em obras ao ponto de faltar mão-de-obra qualificada em alguns sítios –  edil (c/áudio)

Cidade da Praia, 30 Mai (Inforpress) –  O presidente da Câmara Municipal de Ribeira Grande de Santiago, Manuel de Pina, revelou hoje à Inforpress que o município regista obras por todo o lado ao ponto de estar a faltar mão-de-obra qualificada em alguns sítios.

Segundo o edil, algumas obras decorrem a “bom ritmo”, outras estão quase a ser inauguradas e outras por arrancar.

“Os pedreiros começam a faltar em alguns sítios e os empreiteiros têm reclamado disso, mas é um bom sinal, isto quer dizer que a questão do emprego está a ser muito bem tratado no município”, enfatizou.

As obras do ponto de vista desportivo, disse, estão neste momento em maior peso, uma vez que estão a requalificar as placas de Porto Mosquito, Chã de Igreja, Calabaceira e São Martinho e, brevemente, vão arrancar com as obras de construção de uma placa de raiz na localidade de Santana.

Paralelamente a essas obras, estão a dar atenção a construção de praças e de fitness park nessas localidades.

O edil informou ainda que estão a executar um amplo programa de requalificação urbana, nas localidades de Chã de Igreja, São Martinho, Calabaceira e Botarama.

“Vamos, brevemente, iniciar a intervenção em São Martinho Grande, onde temos neste momento a placa a ser construída, já laçamos o concurso para a fase final do estádio municipal e vamos fazer requalificação urbana para trazer uma nova centralidade”, assegurou.

Ainda no âmbito de requalificação urbana, estão a decorrer obras no centro da Cidade Velha, isto é, na orla marítima e ainda será lançado o concurso para intervenção do circuito Forte de São Filipe até Sé Catedral.

A nível de estradas fez saber que em parceria com o Governo estão a intervir na estrada Santa Marta/Santana.

Apesar dessas obras estarem a resolver “pontualmente” o problema de desemprego no concelho, Manuel de Pina reconheceu que ainda há alguma franja da população, principalmente as mulheres, que não tem conseguido ter um rendimento.

Neste sentido, afirmou que através do Banco Social centenas de famílias foram apoiadas e incentivadas com a produção a nível da pecuária, isto é, criação de galinhas e porcos e outros animais que não dependem muito do pasto.

“Faltam algumas acções para incentivar à pesca. Vamos financiar alguns projectos de aquisição de motores, temos apoiado os pescadores na construção de botes, mas falta apoiar as vendedeiras na aquisição de arcas frigoríficas para poderem conservar os pescados”, sublinhou.

Manuel de Pina assegurou que através do cadastro social, que está a decorrer em várias zonas do concelho, vão poder saber exactamente que famílias carecem mais de apoio no âmbito do programa Banco Social.

“É fundamental ter o cadastro social para um maior equilíbrio social e justiça social. Com o cadastro já podemos chamar, através do programa, as famílias mais vulneráveis e apoia-las com um critério estabelecido no programa”, salientou.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos