China pede que Japão reflicta sobre história de agressão

Beijing, 14 Set (Inforpress) – A China pediu na segunda-feira que o Japão olhasse honestamente e reflectisse sobre sua história de agressão e tomasse medidas concretas para ganhar a confiança de seus vizinhos asiáticos e da comunidade internacional, de acordo com um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores.

O porta-voz Zhao Lijian fez os comentários, ao ser convidado a comentar sobre a aprovação pelo Ministério da Educação do Japão de planos para cinco editoras removerem ou mudarem expressões relevantes de “mulheres de conforto” nos livros didácticos.

O recrutamento forçado de “mulheres de conforto” é um crime grave contra a humanidade cometido pelo militarismo japonês, disse Zhao. “É um facto histórico apoiado por evidências irrefutáveis”.

É a mais recente tentativa japonesa de adulterar livros didácticos e brincar com as palavras para confundir factos históricos, minimizar e fugir da responsabilidade histórica e, gradualmente, negar e encobrir sua história de agressão, estimou Sr. Zhao.

“Isso mostra mais uma vez a atitude desonesta de longa data do Japão em relação à sua história de agressão e ofende os sentimentos das pessoas dos países vitimados. Esta decisão será rejeitada por todos os povos pacíficos. A comunidade internacional deve tomar precauções estritas. E rectificar as coisas”, disse o porta-voz.

Inforpress/Xinhua/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos