Cancelamento da visita do Obiang a São Vicente nada tem a ver com a posição do Movimento Sokols – PR (c/áudio)

Cidade da Praia, 17 Abr (Inforpress) – Jorge Carlos Fonseca diz que o cancelamento da visita do Presidente equato-guineense a São Vicente nada tem a ver com a posição assumida pelo Movimento Sokols 2017, porque já no domingo Obiang lhe manifestou que não ia a Mindelo.

Numa publicação na sua página do Facebook, o Movimento Sokols 2017 posicionou-se contra a visita de três dias do Presidente da Guiné Equatorial a Cabo Verde.

“Esperemos que esta vassalagem que se vai prestar nesta visita não sirva para protocolos e intercâmbios governamentais para que sejam implementadas práticas castradoras da cidadania, da liberdade, dos direitos Humanos em Cabo Verde à semelhança do que acontece na Guiné Equatorial”, escreve o Movimento Sokols 2017.

Instado sobre a posição desse movimento cívico e de outras pessoas, o Presidente cabo-verdiano afirmou ter visto essas reacções com “normalidade”, além de serem “legítimas, naturais e até salutares”, porque diz ele, demonstra que as “pessoas estão atentas e formam opinião”.

“Enquanto chefe de Estado de Cabo Verde tenho a obrigação de zelar pelos interesses permanentes e superiores do país”, assinalou, acrescentando que o convite para Obiang visitar o país “não foi por acaso”.

“Respeito as opiniões das pessoas, mas, como chefe de Estado, tenho que ter uma postura de um estadista e de um presidente em exercício da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa)”, precisou.

Para Jorge Carlos Fonseca, que falava à imprensa depois de se despedir do seu homólogo da Guiné Equatorial no Aeroporto Internacional Nelson Mandela, esta visita assume “politicamente um significado muito relevante”, além do “reforço das perspectivas de cooperação bilateral” em áreas como a gestão do turismo e, sobretudo, a informatização da administração, pescas e investimentos.

Lembrou que a Guiné Equatorial é membro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, organização em relação à qual Cabo Verde, neste momento, assume a presidência.

Segundo Jorge Carlos Fonseca, para assinalar esta visita, pela primeira vez, Teodoro Obiang fez uma declaração “formal e pública” a propósito da abolição da pena de morte no seu país.

“Ele fez esta declaração pública perante a imprensa equato-guineense, cabo-verdiana e outras, logo a seguir ao encontro com o chefe de Estado de Cabo Verde”, indicou Fonseca, acrescentando que o seu homólogo fez tal anúncio, estabelecendo um prazo, ou seja, durante este ano.

Ainda sobre a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial, Jorge Carlos Fonseca entende que se trata de uma “declaração séria e objectiva” de um chefe de Estado, pelo que conta que a mesma se concretize.

Na sua perspectiva, a concretização da abolição da pena de morte nesse país da África Central, num prazo da presidência cabo-verdiana da CPLP, tem um “significado político muito especial”.

Recordou que, em certa ocasião, respondendo uma pergunta da imprensa sobre o que seria para Cabo Verde uma presidência de sucesso da CPLP, teria dito que, além de se movimentar brevemente em termos de mobilidade a nível do espaço comunitário, seriam também os sinais claros sobre os “progressos políticos e a abolição da pena de morte” na Guiné Equatorial.

LC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos