Cabo Verde ambiciona tornar-se num polo digital na região africana e conta com apoio da União Europeia

Cidade da Praia, 30 Out (Inforpress) – Cabo Verde ambiciona tornar-se num polo digital na região africana e conta, sobretudo, com a parceria da União Europeia, que promete apoiar o País também em matéria de cibersegurança nos próximos anos, anunciou Ignacio Sobrino Castelló.

O representante da Delegação da União Europeia em Cabo Verde fez estas declarações hoje durante o seu discurso na abertura da sessão de treino em resposta a incidentes cibernéticos que acontece no Parque Tecnológico de Cabo Verde, uma iniciativa conjunta entre o Ministério da Economia Digital com a LuxDev e a Luxembourg House of Cybersecurity, no âmbito do projeto D4D Hub, projecto da União Europeia, em parceria com a União Africana.

Ao destacar um leque de investimento, nos quais a União Europeia tem sido parceira de Cabo Verde, Ignacio Sobrino Castelló ressaltou que o Banco Europeu de Investimentos tem actualmente em fase “muito avançada” a negociação de um novo programa, com objectivo de ampliar e melhorar as conexões inter ilhas no arquipélago, assim como assegurar uma maior e melhor ligação de do País com a Europa e países da costa ocidental de África.

“Este investimento global gateway este último, num montante aproximado de 92 milhões de Euros, confirmam o apoio da União Europeia a ambição de Cabo Verde de se tornar um polo digital na região”, sustentou Ignacio Sobrino Castelló.

No entanto, completou, esta perspectiva ambiciosa torna “mais necessário do que nunca” garantir “mecanismos sólidos” de governação das redes e de cibersegurança.

Por isso, ressaltou, a União Europeia tenciona apoiar Cabo Verde, através de acções de reforço das capacidades em matéria de cibersegurança nos próximos anos.

“O seminário é um passo importante para preparar o caminho para uma maior cooperação no domínio da cibersegurança e no sector digital entre as instituições da União Europeia e seus estados membros e Cabo Verde”, assinalou Ignacio Sobrino Castelló.

Por seu lado, o secretário de Estado da Economia Digital, Pedro Lopes, que presidiu a abertura do workshop, garantiu, em declarações à imprensa, que o País dispõe de condições para concretização deste polo, e precisou que a cibersegurança pode ser um nicho a explorar por Cabo Verde.

“Temos estas condições, aliás estamos a fazer este evento no Parque Tecnológico, que é também uma parte central da estratégia de desenvolvimento do País no digital, nós vamos fazer uma inauguração oficial no próximo ano, mas já há empresas a virem para o Parque Tecnológico, já temos formações que começam a realizar no parque, queremos também colocar Cabo Verde no centro da formação e da certificação de excelência e a cibersegurança é uma oportunidade para Cabo Verde”, declarou o governante.

Segundo Pedro Lopes, Cabo Verde é um País que é reconhecido pela sua estabilidade democrática e a intenção é que seja reconhecido igualmente pela estabilidade da segurança das redes e que a disrupção seja feita pelos jovens e empresas cabo-verdianas.

“Estamos a explorar estas parcerias para concretizarmos aqui projectos de dimensão regional, temos a União Europeia como nosso parceiro, aliás o primeiro-ministro anunciou recentemente o investimento relativamente ao reforço e a melhoria da conectividade entre ilhas, realizado com apoio da União Europeia, no âmbito do Global Gateway”, precisou a mesma fonte.

O objectivo, vincou, consiste em aproveitar o posicionamento geográfico do arquipélago e capitalizá-lo e estar ao serviço da sub-região e da CEDEAO.

Assegurou, por outro lado, que o Governo vai continuar a estabelecer parcerias para poder fazer face aos ataques que o País está sujeito.

TC/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos