Boa Vista: “Expropriação de terrenos deve ser resolvida a curto prazo por condicionar desenvolvimento da ilha” – Presidente da República

Sal Rei, 04 Set (Inforpress) – O Presidente da República disse na Boa Vista ser “legítimo e justo” resolver “a curto prazo” o problema de expropriação de terreno na ilha e que vai exercer sua influência para encontrar solução para este impasse.

Jorge Carlos Fonseca fez esta abordagem, no segundo dia de visita à ilha da Boa Vista, referindo-se aos problemas dos “terrenos expropriados ou suspeitáveis de expropriação”, em que as pessoas exigem as indemnizações que aguardam, ou de montantes que consideram baixas.

Em Povoação Velha, onde se inteirou do andamento dos trabalhos da estrada que dá acesso àquela localidade, que se encontra condicionada, devido a reivindicações de proprietários privados de terrenos por onde passa a via que exigem a resolução deste impasse antes de se concluir a obra.

“É uma situação que tem que ser resolvida num prazo curto, porque isto condiciona todo o processo de desenvolvimento turístico de Boa Vista, tendo em conta que o turismo é decisivo e crucial para crescimento da ilha”, afirmou o Presidente da República,  que disse “tomar consciência que este problema é recorrente”, durante uma reunião com a direcção da Sociedade de Desenvolvimento de Boa Vista e Maio (SDTBM).

De visita a Rabil, Jorge Carlos Fonseca foi também abordado por pessoas que pedem indemnizações de terrenos expropriados, para se alargar o Aeroporto Internacional Aristides Pereira.

“São informações justas e legitimas das pessoas que são titulares de um direito fundamental, que é o de propriedade”, reiterou, afirmando que na qualidade de Presidente da República “vai levar estas preocupações ao Governo” para que ver “rapidamente se resolve este problema”.

O chefe de Estado relembrou que estes problemas “já durão algum tempo” e que já houve reuniões dos proprietários com o Governo, na pessoa do vice-primeiro, Olavo Correia, que terá tinha prometido resolver estas questões “a curto prazo”.

Jorge Carlos Fonseca voltou a frisar que “no futuro deve-se ter atenção à expropriação de terrenos”, pois, ajuntou, com a expansão do aeroporto poderá surgir novos casos deste género de conflitos com titulares de propriedades.

Por isso, o chefe de Estado considerou ser necessário “dialogar, estudar, resolver estes problemas e satisfazer os interesses legítimos dos proprietários”, para alargar o aeroporto que também é do interesse de “todos os boa-vistenses”.

VD/AA
Inforpress/Fim

 

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos