Boa Vista: Desplastificar Boa Vista e projectos ligados ao fundo de descentralização já estão a ser implementados

Sal Rei, 16 Set (Inforpress) – O ponto focal da plataforma de desenvolvimento local da Boa Vista informou hoje que há projectos ligados ao fundo de descentralização a serem implementados, nomeadamente, desplastificar Boa Vista e outros ligados à agricultura e à mobilização de água.

O ponto focal da plataforma de desenvolvimento local, Risete Évora, avançou estas informações à Inforpress para fazer um ponto da situação das Plano Estratégico de Desenvolvimento Municipal e Sustentável (PMES) que é considerada uma bússola orientadora do município e dos dois projectos que estão em curso.

A plataforma de desenvolvimento local foi criada em 2019 e tem como âmbito a participação de várias entidades ligadas a instituições sediadas na ilha e tem como missão apoiar no seguimento e implementação de projectos que têm como financiador o Grão-Ducado do Luxemburgo, com gestão e seguimento do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Conforme o ponto focal na ilha da Boa Vista, o projecto desplastificar Boa Vista, de carácter ambiental, tem como base, essencialmente, a recolha de resíduos plásticos e sua transformação, visando transformar plásticos em objectos de decoração e afins.

“Temos um núcleo da plataforma que gere este projecto e estamos já na fase da sua implementação tendo em conta que se vai ainda adquirir máquinas”, sustentou Risete Évora adiantando que se está à procura de parceiros para apoio a este projecto que terá impacto na ilha a nível ambiental e na criação de postos de trabalho.

Sobre o financiamento do projecto desplastificar Boa Vista, Risete Évora informou que a Câmara Municipal da Boa Vista já cedeu um espaço e financiou a construção de um espaço de raiz em cerca de cinco mil contos, enquanto da parte da PNUD há o financiamento de 30.000 dólares (cerca de 2.900 contos) para implementar algumas acções nomeadamente estudo de impacto ambiental e aquisição de máquinas, moldes, formação e acções de sensibilização.

Segundo a mesma fonte, ainda se está à procura de parceiros para que o projecto tenha continuidade, expansão e sustentabilidade, concretizando que até ao mês de Dezembro o projecto estará em andamento.

Denise Évora explicou que o fundo de descentralização terá três eixos, sendo um deles para apoiar os agricultores e criadores de gado da ilha da Boa Vista, essencialmente na zona de Estância de Baixo, colocar em funcionamento uma queijaria no Norte, que será dinamizada e gerida pela Associação Mulheres Cabreiras da Zona Norte, pela Associação de Agricultores e, também, pelo Agrupamento Competitivo do Queijo de Cabra da Boa Vista (ACQB).

Relativamente à queijaria adiantou que vão ser feitas obras de remodelação num espaço físico já existente a ser comparticipado também pela Câmara Municipal da Boa Vista, e vão ser adquiridos equipamentos para equipar o espaço além da implementação de acções de formação para  as mulheres que vão gerir o espaço.   

O fundo de descentralização deverá financiar a construção de dois reservatórios, um para a zona Norte e outro para zona de Estância de Baixo para a mobilização de água para a mobilização de pasto para os criadores e 17 parcelas de terreno que serão distribuídos a 17 famílias carenciadas para dinamizarem a agricultura como fonte de rendimento.

“Os trabalhos já deram início e já começamos com a perfuração dos furos onde vão ser feitos dois reservatórios”, disse, informando ainda que se está a aguardar um despacho do património para que estes terrenos sejam distribuídos às famílias.

Apesar do fundo de descentralização estarprogramado em dezoito meses e do financiamento do PNUD e da Cooperação Luxemburguesa, a coordenadora evidenciou que os beneficiados terão de dar continuidade e por isso os projectos estão abertos a outros financiadores e parceiros.  

VD/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos