Associação dos Músicos da Boa Vista assume coordenação da SCM na ilha

Cidade da Praia, 06 Mai (Inforpress) – A Associação dos Músicos da Boa Vista assume a coordenação da Sociedade Cabo-verdiana de Música (SCM) nesta ilha com o objectivo de dignificar os criadores e músicos “para salvaguardar os direitos à bem da música e da cultura cabo-verdianas”.

Esta pretensão foi avançada à Inforpress pelo presidente da direcção da Associação dos Músicos da Boa Vista (AMBV), Manuel Brito, que pretende trabalhar com a sua equipa, de forma a ir ao encontro dos ganhos atingidos pela SCM, tanto no plano interno como internacional.

O dirigente da AMBV, um dos mais novos associados da SCM, formalizado na última assembleia-geral, que também é músico, justificou o desafio como forma de recuperar o prestigio dos autores.

Disse que sempre questionou, durante muitos anos, as razões dos criadores terem sido sistematicamente relegados para o segundo plano, em detrimento dos intérpretes, alegando que estes bebem da criatividade dos criadores para cantarem.

“Doravante vejo que tudo está a caminhar para um novo rumo, as cosas estão verdadeiramente a mudar de patamar. Estamos a ter grande oportunidade de valorizar, principalmente, de uma forma digna, os que realmente criam. Pensamos que com esta valorização os dois lados, interpretes e criadores, se complementam”, elucidou este músico que jubila-se com a dinâmica da SCM.

Conhecido nas lides musicais, essencialmente como exímio executante da guitarra, cavaquinho, viola de 10 cordas, Manuel Brito toca ainda os instrumentos de percussão, sendo que nesta altura conta com algumas composições inscritas, mas não divulgadas.

O novo responsável da AMBV, criada há cerca de 17 anos, pelo músico Noel Fortes – o seu primeiro presidente -, sucedeu Kaká de Lourença na liderança da presidência da associação dos músicos nesta ilha conhecida como terra da morna.

Manuel Brito tem a pretensão de “resgatar” o Festival da Morna, que figurava como sua principal acção, mas numa outra dimensão, pelo que o evento está a ser transformado na “Semana da Morna”.

A “II Semana da Morna”, que já conta com a aprovação do Ministério da Cultura, terá a particularidade de ser realizada de forma descentralizada, ou seja, em vez das actividades serem executadas apenas na cidade de Sal Rei passam a realizar-se, simultaneamente, em outros pontos da ilha.

Outra grande inovação, de acordo com este representante da SCM, é que o evento deixa de ser exclusivamente dedicado em tocar a morna, mas sim, estende-la a actividades complementares como palestras, conversas abertas e serenatas, num conjunto de actividades diversificadas à volta da morna.

SR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos