África: Governo de Moçambique diz atrair 1,1 mil ME para projecto de gás natural em Cabo Delgado

Joanesburgo, 12 Nov (Inforpress) – Vários financiadores manifestaram esta segunda-feira interesse em investir 1,3 mil milhões de dólares (1,179 mil milhões de euros) na participação acionista da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), no consórcio de gás natural liquefeito na bacia do Rovuma, norte de Moçambique.

O investimento no projecto de gás natural liquefeito moçambicano foi apresentado como “um dos maiores negócios” em negociação no Fórum de Investimento Africano, que decorre até quarta-feira na capital sul-africana.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, juntamente com o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Adesina Akinwumi, e o administrador da estatal ENH, Omar Mithá.

“Como referiu o presidente do BAD, é um dos maiores investimentos em negociação aqui no Fórum de Investimento Africano e Moçambique precisa de projetos que desenvolvam [a economia], promovam a criação de emprego, assim como outros setores de atividade económica como a agricultura”, afirmou o governante moçambicano.

O presidente do BAD, Adesina Akinwumi, salientou que se trata do “maior negócio no projecto” da instituição, “com um valor global de 25 mil milhões de dólares [22,5 mil milhões de euros]”, tendo em conta “a importância do setor LNG [gás natural liquefeito, na sigla em inglês] em Moçambique”.

Já o presidente da ENH, Omar Mithá, referiu que “o projecto pretende distribuir 400 milhões de metros cúbicos a nível interno, será transformativo para a região e é um dos três megaprojectos que transformará a economia moçambicana nas próximas décadas”.

“Estima-se que Moçambique irá contribuir com 4% da produção global, a par com o Qatar, a Austrália e os Estados Unidos”, salientou.

A ENH realizou esta segunda-feira no Fórum de Investimento Africano, em Joanesburgo, um ‘roadshow’ com vista a atrair investimento para a participação acionista de 15% que detém nos 40% alocados à participação acionista no projecto LNG no norte de Moçambique, no valor global de 25 mil milhões de dólares, sendo os restantes 60% comparticipado por financiamentos de instituições financeiras, explicou à Lusa uma fonte do BAD.

Entre os investidores, contam-se os principais bancos sul-africanos, o BAD, além de instituições financeiras da União Europeia e ainda do Médio Oriente, disse uma fonte da ENH.

O projecto de gás natural na Bacia do Rovuma deve entrar em produção no final de 2024, adiantou a mesma fonte.

O plano de desenvolvimento do projecto de gás natural liquefeito da Área 1 da Bacia do Rovuma, em Cabo Delgado, norte de Moçambique, está avaliado em 25 mil milhões de dólares – o dobro do produto interno bruto (PIB) do país, ou seja, a riqueza que o país produz anualmente.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), estima que o projecto LNG colocará a economia do país a crescer mais de 10% ao ano.

Inforpress/Lusa/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos